BUCHOS-E-TRIPAS-370x543Bucho, tripa e miúdos de boi transformaram-se em importantes produtos de exportação, registrando, em 2014, um incremento na balança comercial do estado de pouco mais de US$ 56,7 milhões, superando as exportações de arroz e feijão, e até de madeira, no período, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

De acordo com o secretário estadual da Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento e Regularização Fundiária, Evandro Padovani, há uma tendência natural para o aumento das exportações de produtos do setor primário em virtude dos investimentos feitos pelo governo, incentivando a produção no campo, com uma série de programas de apoio a pequenos e médios agricultores, inclusive com a distribuição de calcário, cujausina inaugurada no ano passado, ampliou sua capacidade de produção, praticamente eliminando a necessidade de importação desse minério, que é essencial para a correção de solos ácidos, comuns em Rondônia.

A República Popular da China, que ostenta tradição culinária milenar e exótica, é hoje o maior consumidor dessas iguarias produzidas em Rondônia, pelo seu valor nutricional, eis que é fonte de proteína e rico em potássio, fósforo e sódio, elementos essenciais em qualquer estágio de uma dieta alimentar, inclusive como opção para substituição da carne.

Os mais velhos e a sabedoria popular sabem que do boi nem o berro se perde. Essa assertiva ilustra bem os motivos da China de adquirir por preço compensador as vísceras e os miúdos das boiadas de nelore de Rondônia. O estado exporta também todo couro e transforma ossos em cálcio, que volta ao rebanho como suplemento alimentar, obedecendo naturalmente a um rigoroso processo de segurança sanitária.

“Importante esclarecer que a buchada – prato de caldo encorpado e de sabor forte – embora rejeitado em algumas regiões do Brasil, faz muito bem à saúde, e se seu consumo for disseminado é possível erradicar a fome e gerar saúde nos bolsões de pobreza do País”, disse Padovani.

Pesquisando os preços dos produtos no Mercado Central de Porto Velho, Helena Ferreira, depois de reclamar da carestia, parou diante de um balcão de carnes com o mesmo sentimento. Indagada se tinha costume de alimentar com bucho, tripa e miúdos, ela respondeu que, embora goste, raramente come essas iguarias, sem explicar o porquê. “Na verdade, é a falta de costume de comer; eles preferem a carne”, disse o proprietário da casa de carnes, que não quis se identificar, dando sua impressão sobre a falta de cultura alimentar brasileira.

A exportação de vísceras e miúdos de boi tem importância capital para a economia estadual. Nesse contexto, vale lembrar que o estado de Rondônia a cada ano vem superando sua marca como exportador de bens, tendo a carne, bucho, tripas e miúdos bovinos como seu principal produto, com importância reconhecida na formação da balança comercial brasileira pelo MDIC. Os dados do Ministério confirmam que Rondônia ultrapassou a cifra de US$ 1 bilhão em exportações.

Fonte
Texto: Cleuber R Pereira
Fotos: Ésio Mendes

Facebook Comments