Municípios repassam informações ao governo das ações de combate ao aedes aegypti em todo o estado

Pelo menos 51 dos 52 municípios rondoniense já estão cadastrados no FormSUS, sistema disponibilizado pelo Ministério da Saúde à Sala de Situação, que foi montada pelo governo de Rondônia para controlar as ações dos municípios no combate ao aedes aegypti, transmissor da dengue, febre chikungunya e zika vírus. Desse total, 31 municípios já estão repassando diariamente dados ao sistema de notificação dos imóveis visitados, imóveis fechados, onde foram encontrados larvas.

Equipe da Sala de Situação tem reunião toda segunda-feira

Equipe da Sala de Situação tem reunião toda segunda-feira para avaliar controle do mosquito

Nesse trabalho de controle, segundo a coordenadora da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), Arlete Baldez, a principal estratégia é combater o mosquito, que traz junto com ele doenças. Todas as segundas-feiras os integrantes do comitê da Sala de Situação se reúnem para fazer o monitoramento das ações no estado. “Nosso foco é não deixar o mosquito nascer”, alertou.

A meta do governo é que sejam visitados 100% dos imóveis nos meses de janeiro e fevereiro, fazer visitas educativas e trabalhar o sábado da faxina, que interrompe o ciclo de vida do mosquito, que é de sete dias. São quatro municípios que estão avançados na meta de visitação dos imóveis: São Felipe do Oeste, Governador Jorge Teixeira, São Francisco do Guaporé e Colorado do Oeste.

Conforme Arlete Baldez, outra estratégia é mobilizar os órgãos parceiros, como por exemplo, nessa segunda-feira (18) a reunião do comitê contou com a presença do gerente de Marketing do Grupo Rovema, Márcio Barnabé, do Consórcio do Sistema Integrado Municipal de Transporte de Passageiros (SIM), que colocou à disposição do governo estadual ajuda na divulgação da campanha de combate ao aedes aegypti, disponibilizando os espaços da frota de ônibus de Porto Velho, chamado de “busdoor”, e também a distribuição de panfletos educativos nos pontos de entrega do cartão SIM digital.

O enfermeiro Sid Orleans, coordenador do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde de Rondônia da Agevisa, acrescentou que as atividades educativas estão principalmente voltadas ao tratamento que a população deve ter com os criadores permanentes, como os reservatórios e caixas d’agua localizados dentro de casa.

Fonte
Texto: Marilza Rocha
Fotos: Marilza Rocha
Secom – Governo de Rondônia
Facebook Comments