Família de idosa estuprada e morta em RO diz que prisão de suspeito é ‘conforto no coração’

Duas netas de Ângela Cortez de Morais, a idosa de 68 anos que foi estuprada e morta em Porto Velho, conversaram com a Rede Amazônica sobre a prisão do principal suspeito do crime. Felipe da Silva Rocha, de 20 anos, foi localizado pela Polícia Civil na terça-feira (12).

“A gente recebeu a notícia da prisão do suspeito com um grande conforto no coração. A gente espera que esse seja o início para entendermos toda procedência do que aconteceu [na casa da avó], pois as procedências reais do fato nunca iremos saber”, diz Érica Cristina Rodrigues, neta de Ângela.

Ângela era conhecida pela generosidade e o jeito simples de levar a vida, segundo a família.

Elen Pricila Cortez, outra neta da vítima, conta que passou a ser criada pela avó quando ainda era bebê e jamais poderia imaginar que ela seria brutalmente assassinada dentro da própria casa.

“A dona Ângela era uma mulher guerreira. Ela morava em Abunã, de onde não queria sair, e sempre dizia: ‘daqui, minha filha, só saio para o cemitério’. Quem chegasse na casa dela, podia ser da forma que fosse, minha avó dava apoio”, diz a neta, emocionada.

Em entrevista à Rede Amazônica, Elen afirma que sua avó era parteira na região do distrito de Abunã. “Mesmo às vezes doente, ela tava ali cuidando das mulheres grávidas. Dona Ângela trouxe várias vidas ao mundo”, revela.

Para a família, um dos fatores mais revoltantes do crime é que o suspeito era conhecido de Ângela, pois morava em uma casa vizinha. “Ele foi um rapaz que cresceu do lado da minha avó. Ele viu ele ter um porte de homem, para no final o Felipe invadir a casa dela para roubar, matar e estuprar. Foi humilhante o que fizeram com ela”, desabafa Érica Cristina.

Motivação do crime

Segundo aponta a Polícia Civil, o suspeito teria invadir a casa de Ângela para roubar o dinheiro que ela recebia de uma pensão e aposentadora. O crime foi em agosto deste ano, em Abunã.

A vítima, conforme a delegada Rosilei Lima, tentou escapar de Felipe enquanto era estuprada. “A idosa estava cheia de hematomas. O infrator machucou muito ela, mas ela tentou lutar”, aponta.

Rosilei diz que o estupro foi confirmado através de um DNA, onde o material genético coletado nas partes íntimas da vítima bateu com o de Felipe da Silva Rocha.

“O material coletado foi mandando para confronto e resultou positivamente com a genética do infrator Felipe, que já era suspeito e investigado pela polícia de Nova Mutum”, conta.

Suspeito de estuprar e matar idosa de 68 anos é preso — Foto: Jheniffer Núbia/G1

Suspeito de estuprar e matar idosa de 68 anos é preso — Foto: Jheniffer Núbia/G1

O suspeito do crime foi localizado e preso na terça-feira (12), na cidade de Canutama (AM). Depois de ser transferido até Porto Velho, o jovem de 20 anos foi levado ao presídio masculino. Ele será indiciado por estupro e homicídio doloso.

A reportagem tenta contato com a defesa de Felipe.

Fonte: G1

Facebook Comments