EM “NOTA DE REPÚDIO” QUEM DEVERIA MINIMIZAR DESASTRES ACABA DE CAUSAR UM TSUNAMI

Natanael, o minimizador de desastres
Natanael, o minimizador de desastres. Foto: Facebook.

É para rir se o assunto não fosse sério. O Chefe da Divisão de Minimização de Desastres Coordenadoria Municipal de Defesa Civil, Natanael Castro Moura, emitiu uma Nota de Repúdio catastrófica. Ao repudiar “aos que estão espalhando boato do rompimento da barragem nas usinas”, Natanael demonstra que nada sabe sobre o assunto. Chamou de “doente, no mínimo inconsequente” quem anda publicando que poderá ocorrer uma tragédia to tamanho de um tsunami. Ocorre que, na “Nota de repúdio”, Natanael, o próprio, confirma que há possibilidade sim, de haver rompimento da barragem devido às fortes chuvas que caem na região. E, ao afirmar que as chances disso acontecer são ‘mínimas”, ele diz que “muitos cálculos e previsões feitas pelos engenheiros de Santo Antonio foram erradas, mas não se pode errar tudo certo?”. Pior, ele publicou a tal nota de repúdio na página dele, no Facebook tendo como ilustração uma fotomontagem do centro da cidade envolvida pelo “tsunami”. Leia com atenção a aberração assinada por quem deveria minimizar desastres.

 

NOTA DE REPÚDIO

Aos que estão espalhando o Boato do rompimento da “barragem” nas usinas hidrelétricas, segue a minha nota de repúdio:

A Defesa Civil tem trabalhado muito para atender as famílias desabrigadas e desalojadas na maior enchente do Rio Madeira registrada nos últimos 50 anos. Para um rio que é considerado o segundo do mundo em termos de velocidade da água (isso porque ainda não conseguiram aferir com precisão), chegar a 17,85 metros é realmente um sinal que tem chovido muito acima do esperado na Bolívia. É evidente os inúmeros erros ocasionados nas instalações das usinas de Jirau e Santo Antônio (essa principalmente). Agora, quem inventou o assunto “iminente rompimento da barragem de Santo Antônio” é doente, no mínimo inconsequente. Causar pânico desnecessário e prejudicar o serviço prestado, é desprestigiar todos os envolvidos na causa, que não são poucos (mais de 150 voluntários, entre as forças armadas, órgãos governamentais e civis).

Existe o risco do rompimento?
Sim. Tanto que as Defesas Civis (Nacional, Estadual e Municipal) fez uma “prévia” de um simulado para o acontecimento deste evento em Jirau, uma vez que o rompimento da barragem em Santo Antonio não nos daria tempo de resposta.

Quais as chances de ocorrer o rompimento?
Mínimas. Claro que muitos cálculos e previsões feitas pelos engenheiros de Santo Antonio foram erradas, mas não se pode errar tudo certo? Não se esqueçam que as águas do Rio Beni chegam antes em Jirau.

Qual a culpa das usinas neste fato?
Não sei. Ninguém sabe. É fato que os lagos formados pelas usinas hidrelétricas tem o poder de alterar o clima local, mudando a duração das estações e a forma como acontecem as coisas, mas daí dizer que as usinas provocaram o derretimento do gelo dos Andes Boliviano e provocaram o excesso de chuva na cabeceira do Rio Beni é uma responsabilidade muito grande para uma pessoa que nem se quer pesquisou sobre o fato e não tem como comprovar essa teoria. Os leigos podem afirmar e negar qualquer coisa, mas devemos pensar antes de levar uma coisa inventada como certeza.

Querem participar do evento? Se prontifique como voluntário ou doe alimentos, roupas e etc… Se não tem disposição para isso, por favor, não invente histórias! Pessoas ligam e ocupam o telefone perguntando se irão morrer e se Porto Velho vai acabar.

Grato!

NATANAEL CASTRO MOURA
Chefe da Divisão de Minimização de Desastres
Coordenadoria Municipal de Defesa Civil

Fonte: Portal +RO  www.maisro.com

 

Facebook Comments