Coluna Zona Franca

Se gritar pega Lebrão…

A corrida para os cargos eletivos 2022 em Rondônia está tirando o sono de muitos que perdoaram o deputado estadual Lebrão (MDB) e não se lembraram da reeleição. Muitos irão padecer e poucos sobreviver ao crivo do eleitor mais exigente. Sem contar com a dança das cadeiras dentro dos partidos que por desconhecimento de muitos alugam os partidos e não são fiéis. A infidelidade partidária é prejuízo para o partido que acolhe o candidato e depois é menosprezado. Até no PT há infiéis, como o deputado estadual Lazinho da Fetagro que, após eleito, não deu a mínima pro partido.

Comissões provisórias

Em Rondônia praticamente todos os partidos são comissões provisórias e não definitiva. Exemplo do conto dos partidos é o atual presidente Bolsonaro e o governador Marcos Rocha (sem partido). Os dois se elegeram pelo PSL e hoje estão sem partido. Seria isto certo? Por que o povo brasileiro não cobra fidelidade partidária dos seus mandatários? Por quê? O analfabeto político é quem vota só olhando a foto do candidato…e não olha o histórico do eleito. Rondônia 2022 uma série para ser reescrita.

Prisão em vista

Duas prisões de dois prefeitos de Rondônia, podem ocorrer a qualquer momento. De Guajará-Mirim, Raissa Bento (MDB) e, de Jipa, Isaú.

Ivo “inelegíve”?

O ex-governador Ivo Cassol (Progressistas), que foi condenado à prisão por corrupção, ainda está inelegível para as eleições de 2022. Ainda porque ele está tentando de todas as formas derrubar as condenações e já conseguiu algumas. Até lá será “possíve” que tenhamos um candidato ao governo, ex-presidiário. Aliás, Ivo Cassol foi o único ex-governador de Rondônia a ser condenado à prisão.

Eleições 2022

Em Rondônia o cachorro vai morder o próprio rabo. Disputando o apoio do insepulto Bolsonaro, dois candidatos ao governo de Rondônia, sendo um à reeleição, estão se engalfinhando. Cada um se sujeitando a lamber o dedo podre do presidente que, na política, está praticamente enterrado. A menos que aplique um golpe de estado, dissolva o Congresso Nacional e destitua todos os ministros do STF.

Eleições 2022 2

A CPI da Covid já tem em mãos provas cabais e irrefutáveis de que Bolsonaro, deliberada e explicitamente propagou a imunidade de rebanho, recursou  vacinas e estimulou o tratamento precoce. É “pule de dez” que ele será responsabilizado por estes crimes, pagando com um impeachment e posterior prisão. O que o deixará, claro, fora das eleições de 2022. Deixando órfãos pré-candidatos ao governo de Rondônia que apostaram tudo no presidente.

Do Twitter

“É melhor até que seja só mentira, porque, a ser verdade é prova cabal de que não temos nem mesmo um governo ruim, temos é um manicômio instalado em Brasília.” (Fernando Brito)

Silêncio sepulcral

O governador de Rondônia, Marcos Rocha (sem partido), está em total silêncio quanto à liberação da importação da vacona Sputnik V, pela Anvisa, somente para os estados do Nordeste. Rocha menosprezou as reuniões dos governadores e não assinou nenhum ato de apoio à aquisição de vacinas. Solitariamente, tentou comprar 1 milhão de vacinas da Sputnik V e o pedido não foi julgado pela Anvisa. Resultado. Rondônia é o estado que menos vacina e assim continuará.

Silêncio sepulcral 2

Outro que faz cara de paisagem é o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), que caiu no Conto do Vigário das 400 mil doses de vacinas. Chegou até emitir um “cheque pré-datado” para a compra. Desde a descoberta da fraude, HC não se pronunciou mais sobre o assunto. Esse erro grave da gestão dele, vai lhe custar o governo de Rondônia, cujas pesquisas internas davam ele como favorito.

PT de Rondônia

O PT de Rondônia está realizando uma séria de 13 debates sobre o Plano de Reconstrução do Brasil, proposta pela Fundação Perseu Abramo. Já foram realizados dois. O primeiro foi com o ex-ministro da Educação, Aluízio Mercadante. A segunda, com a ex-ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campelo. O evento está sendo realizado todas as sextas-feiras através da plataforma Zoom.

PT de Rondônia 2

O ciclo de debates é aberto a todos os petistas de Rondônia, inclusive para pré-candidatos a cargos eletivos em 2022. Dentre os participantes destacam-se o presidente estadual da sigla, Anselmo de Jesus, da municipal de Porto Velho, Ramon Cujuí, a ex-senadora Fátima Cleide, Dr. Lhano, jornalista Roberto Kuppê, Edson Silveira e professora Lílian (Guajará-Mirim).

Segredo de estado

Um ex-petista graúdo está fazendo de tudo para voltar ao seio do PT de Rondônia como candidato a senador da República. Acontece que a volta dele não é vista com bons olhos, tanto que ele foi lá em Brasília tentar esse retorno via nacional. Se ele quiser voltar, até pode, mas não impor candidaturas ao Senado ou ao governo de Rondônia. No PT não funciona candidaturas impostas de cima para baixo, ou seja, de goela abaixo.

Senado, Câmara Federal e Assembleia

Devem disputa única vaga de senador por Rondônia os seguintes pré-candidatos: Jaime Bagattoli (PSL), Jaqueline Cassol (Progressistas) e Anselmo de Jesus (PT). Vários nomes estão circulando como potenciais candidatos a cargos eletivos, seja para a Câmara Federal, seja para a Assembleia Legislativa. Para Câmara Federal: Ramon Cujuí (PT), Anselmo de Jesus (PT) ou Fátima Cleide (PT), Luiz Claudio (PL), Bosco da Federal (PTB), Fernando Máximo (Patriotas), George Braga (MDB), Roberto Kuppê (PT), Alessandra da Fetagro e Lionilda Simão do Sintero do PT. Estadual: Dr. Wellison Nunes (PDT), Dabson Bueno (MDB), Pimentel (MDB), Samuel Costa (PCdoB), Sid Orleans (Cidadania), Hermínio Coelho (PT), Everaldo Fogaça (Republicanos), Wendell Mendonça (Cidadania), Edson Silveira (PT), Fatinha (PT), dentre outros.

Ativista Evelyn

Em Porto Velho, temos uma ativista à altura da sueca Greta Thunberg. Trata-se de Evelyn, de apenas 15 anos (na foto com Terrinha e a mãe dela Luciana), que gravou um vídeo implorando aos ministros que não deixassem despejar cerca de três mil moradores do bairro Porto Cristo. Evelyn “Greta” conseguiu que os ministros proibissem despeja durante os próximos seis meses. O vereador Fogaça (Republicanos), está acompanhando a situação. O presidente da Câmara dos Vereadores, Edwilson Negreiros (PSB) propôs uma audiência pública pra tratar do assunto.

Força, Tite!

Pensar além da bola, além da bolha. Sob Tite, a seleção brasileira passou a pensar. Se não é uma boa seleção, já pode ser considerada a mais politizada. 7×1 em Bolsonaro genocida. Como brasileiros (sem ufanismo) torceremos sempre pela seleção. O 7×1 foi um aprendizado. Acreditamos que daqui a 10 anos teremos uma seleção como a da Alemanha, disciplinada e boa de bola.

É Deus ou adeus?

Nem água benta, nem Cloroquina. O Pastor RR Soares, intubado naquela situação quase irreversível, deverá prestar conta dos dízimos com Deus. Não pode faltar um centavo. A contabilidade celestial é implacável.

Por equipe do Mais Rondônia

Facebook Comments