Coluna do RK-Bastidores da política nacional e regional

0
881


Por Roberto Kuppê (*)

Raimundinho Bike Som

É hoje  lançamento da pré-candidatura a deputado estadual de Raimundinho Bike Som, o suplente de vereador que não dá sossego para a prefeitura de Porto Velho. A partir das, 19 horas, na rua Abílio Nascimento 4518,Bairro Caladinho.

É amanhã o tão sonhado lançamento de minha pré candidatura a deputado estadual. Na Rua Abílio Nascimento 4518,Bairro Caladinho.

Publicado por Raimundinho Costa Moraes em Quinta-feira, 14 de junho de 2018

Nofesratu

O vampiro encastelado no Palácio do Planalto conseguiu destruir o País em dois anos. O desemprego aumentou e com isso a violência urbana. E não foi só ele quem destruiu a esperança de milhões de brasileiros. O judiciário, legislativo e a grande mídia contribuíram. Se o golpe tivesse dado certo e a população estivesse feliz, Lula não estaria em primeiro lugar nas pesquisas.

Moro cumpriu a missão

O juiz do TRF- 4, Sérgio Moro, cumpriu a missão dada pelo sistema: inviabilizar a candidatura de Lula à presidência da República. Desrespeitando as leis e a Constituição brasileira, Moro forjou provas e conseguiu prender Lula. Menos a ideia. Menos o voto do povo. Falando em Moro, o jornal peruano Gestión informa que a procuradora Silvana Carrión tomou o depoimento do advogado Rodrigo Tacla Durán em Madri, no dia 9 de maio, sobre o esquema de corrupção da Odebrecht. Segundo a publicação, Talca Durán é testemunha-chave no processo que investiga o uso da Banca Privada de Andorra para o pagamento de propina e lavagem de dinheiro. Mais uma vez, a pergunta: Se Rodrigo Tacla Durán é fundamental na investigação em países latino-americanos como o Peru, onde a Odebrecht atuou, por que o juiz Sergio Moro resiste a tomar o depoimento dele, como já requereu a defesa do ex-presidente Lula? Será em razão do fato de que, além da Odebrecht, Tacla Durán tenha informações sobre o advogado Carlos Zucolotto Júnior, padrinho de casamento de Moro?

Sem pressa

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu a prorrogação por 60 dias das investigações de um inquérito instaurado no âmbito da delação da Odebrecht contra o Michel Temer e os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha (MDB), e de Minas e Energia, Moreira Franco (MDB). O relator do caso, ministro Edson Fachin, é quem decidirá se atende ou não ao pedido para prorrogar as investigações. Delatores da empreiteira haviam dito que foram repassados R$ 10 milhões em doações ilícitas para campanhas do MDB em troca de favorecimento da empresa. De acordo com a delação, o acordo foi firmado em reunião no Palácio do Jaburu em 2014, quando Temer era vice-presidente. A informação foi publicada no Blog do Fausto Macedo.

Bancada do mal

Os 11 parlamentares da bancada federal de Rondônia (três senadores e oito deputados federais) votaram pelo impeachment de Dilma. Tiraram uma mulher honesta. Comprovadamente honesta. Tanto que será candidata ao Senado Federal por Minas Gerais e vai vencer as eleições nas terras de Aécio Neves, o sobrinho mau de Tancredo Neves. Com exceção de Expedito Netto (PSD), a bancada continuou a maldade, votando contra o povo. A “reforma” trabalhista foi a pior coisa que poderia ter acontecido contra o povo trabalhador. Dela surgiram mais desempregados e aumentou a informalidade. O Brasil virou uma imensa Feira do Paraguai.

Questões indígenas

Por falar na bancada federal de Rondônia, por que nenhum de nossos diletos e bem pagos deputados federais não compram a briga da Funai, hoje ingerida pelo PSC (Partido Social Cristão…cristão…kkkkkkkk)? A Funai está sendo desmantelada e os índios dizimados, e a nossa bancada não move um dedo. Os únicos parlamentares que estão defendendo a Funai são do Rio de Janeiro.

Torcendo pela Alemanha

Eu, RK, declaro que estou torcendo para a Alemanha. O Brasil pode até ser hexa, ótimo, mas minha torcida é pela Alemanha. Porque eles chegaram na Rússia em avião de carreira e doaram mil bolas e equipamentos esportivos para projetos sociais russos, enquanto a seleção brasileira chegou em avião de luxo fretado e entrou pelas portas dos fundos do hotel. E, para piorar, Neymar, chegou ostentando uma bolsa Louis Vuitton de R$ 17.900 reais.  A Alemanha goleia dentro e fora dos gramados. Exemplo de humildade e técnica, aliada à disciplina.

Há um ano

Há um ano a Polícia Federal apreendeu R$ 2 milhões durante as buscas realizadas em endereços de aliados do presidente Michel Temer e do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). A Polícia esteve em diferentes endereços ligados a Aécio Neves. A operação se estendeu ainda aos gabinetes no Congresso do próprio tucano, do senador Zezé Perella (PMDB-MG) e do deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) e à residência de Andréa Neves, irmã do senador. Sabe o que aconteceu depois? NADA!(Fonte: O Globo de 18.06.2017).

Eleições 2018

Se liberarem a candidatura de Lula, liberam a de Ivo Cassol, e vice e versa. A situação do senador Ivo Cassol (PP-RO) é parecida com a do ex-presidente Lula, salvo engano. Ambos foram condenados por um colegiado. Estariam inelegíveis, portanto. Mas, quem vai decidir se sim ou não, será o TSE em momento oportuno.

Jesualdo a governador?

O ex-prefeito de Ji-paraná, Jesualdo Pires (PSB), tem negado com certa veemência que esteja postulando, ou que estejam aventando o nome dele ao governo de Rondônia. O que está em vigor é o apoio dele à candidatura do senador  Acir Gurgacz (PDT) ao Palácio Rio Madeira. Jesualdo é pré-candidato ao Senado Federal.

Os pré-candidatos

Enquanto não se define juridicamente se Cassol e Gurgacz serão mesmo candidatos, os nomes de Vinícius Miguel (Rede), Zé Jodan (PSL), Paulo Benito (PT), Maurão de Carvalho (MDB), Pedro Nazareno (PSTU) e Ivo Benitez (PSDC) estão circulando nos bastidores. O PSDB também não definiu ainda se Guedes ou Expedito Júnior será o candidato dos tucanos ao governo.

Violência no país

O aumento da violência está diretamente ligada ao desemprego. Isso é fato. Mais pessoas desempregadas são obrigadas a se virarem nos 30. Uns vão ser mascates, muambeiros, viver de rolo. Outros vão praticar pequenos crimes que podem resultar em grandes crimes. A situação está crítica e a tendência é se agravar mais ainda. O governo Temer, além de aprovar leis que retiraram direitos e aumentaram o desemprego, está vendendo nossas riquezas a preço de banana. O petróleo não é mais nosso. Adeus pré-sal. Adeus Eletrobras, adeus usinas.

Hipocrisia

Nada mais hipócrita do que criticar o vigilante por ter impedido o menino negro e pobre de se alimentar no MacDonalds de um shopping de São Paulo. Milhares como ele circulam pelas ruas e ninguém os amparam. Muito pelo contrário, os discriminam. Ademais, os que criticaram o vigilante são, na maioria, contra o Bolsa Família e o sistema de cotas para negros. Quer hipocrisia maior?

Bolsa Vuitton

A coluna de sexta-feira encerra com a atual crise que assombra os brasileiros. Milhões voltaram à extrema pobreza, precisando de benefícios do governo, como o Bolsa Família. Existem atualmente 551 mil famílias na fila à espera do benefício. O valor é de R$ 85 por filho, não ultrapassando o valor máximo de R$ 306 por família. Na contramão dos brasileiros que estão tentando sobreviver desempregados e sem renda, estão os parlamentares. Esses têm um salário de R$ 33.763 (35 vezes o salário mínimo atual), auxílio-moradia de R$ 4.253 ou apartamento de graça para morar, verba de R$ 92 mil para contratar até 25 funcionários, e verba de R$ 30.416,80 a R$ 45.240,67 por mês para gastar com alimentação, aluguel de veículo e escritório, divulgação do mandato e outras despesas. Além disso, apenas o auxilio-paletó pago aos políticos do Congresso Nacional e de 16 assembleias legislativas no Brasil custa R$ 63,1 milhões aos cofres públicos, por ano. Esse mesmo valor poderia sustentar, por quatro anos, 17 mil famílias que vivem na extrema pobreza, com o benefício máximo do Bolsa Família, de R$ 306 mensais. Em vez disso, no ano passado o governo fez o maior corte da história no benefício, excluindo do Programa Bolsa Família 1,5 milhão de famílias, o que representa 4,3 milhões de pessoas, a maioria crianças.

 

(*) Roberto Kuppê é jornalista e articulista político

 

 

 

 

Facebook Comments