Chile tem toque de recolher pelo terceiro dia: 11 morreram no fim de semana

O governo do Chile decretou novo toque de recolher na região metropolitana de Santiago a partir das 20h (horário local) desta segunda-feira (21). A capital chilena e outras cidades do país tiveram novo dia de protestos, mesmo após as autoridades locais cancelarem o aumento no preço das passagens de metrô – o que gerou as primeiras manifestações.

Além de Santiago, outras regiões estão sob toque de recolher: Valparaíso, Concepción, Antofagasta Rancagua (leia sobre os protestos em outras cidades mais adiante). Na capital, será a terceira noite consecutiva em que a medida valerá – das 20h às 6h (horário local).

Na tarde desta segunda-feira, milhares de manifestantes se concentraram na Praça Itália, também conhecida como Praça Baquedano, que fica na região central de Santiago. Segundo a imprensa chilena, os protestos começaram pacíficos e com diversas frentes – não há apenas um grupo organizando os atos.

Porém, mais tarde, agências internacionais e jornais e emissoras chilenos registraram imagens de forças de segurança lançando bombas de efeito moral e atirando jatos de água contra os grupos. Alguns manifestantes também fizeram barricadas na capital em em outras cidades.

Brasileiros

O Consulado-Geral do Brasil em Santiago informou que não há registro de brasileiros feridos, detidos ou envolvidos nos protestos. O Consulado tem recebido muitos questionamentos sobre o cancelamento de voos e os procedimentos em decorrência do toque de recolher. O Itamaraty indica aos brasileiros com dificuldade de embarcar em seus voos no Chile que verifiquem o estado das decolagens antes de se dirigirem ao aeroporto e, em caso de cancelamentos, que reagendem os bilhetes diretamente com as companhias aéreas.

Em caso de voos noturnos não cancelados, informa o Itamaraty, na hipótese de decretação de toque de recolher, passageiro deve deslocar-se ao aeroporto antes do início da restrição de movimentação.

Fonte: G1

Facebook Comments