Presidente interina buscou ser enérgica no combate às queimadas para se diferenciar de Evo Morales, muito criticado pela resposta que deu aos incêndios de 2019.

O governo da Bolívia decretou emergência nacional por causa das queimadas que atingem o país nas regiões de fronteira com o Brasil.

Há um incêndio de uma área de meio milhão de hectares na região do pantanal boliviano, perto do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

A presidente interina, Jeanine Áñez, sobrevoou a região que sofre há dois anos consecutivos com a seca.

Com esse decreto, a Bolívia consegue receber ajuda internacional para combater o fogo.

Combate a incêndios é tema das eleições

As eleições presidenciais no país estão marcadas para outubro. Áñez chegou a concorrer, mas ela desistiu na quinta-feira.

A presidente interina buscou tomar ações mais firmes contra os incêndios –especialmente para se diferenciar do ex-presidente Evo Morales, que foi muito criticado por sua atuação nas queimadas de 2019.

Ela revogou um decreto de Morales que autorizava queimadas para abrir espaço para a criação de gado.

Fonte: G1

Facebook Comments