VÍDEOS INÉDITOS: Povo em festa e o dedo de Bolsonaro no golpe na Bolívia que derrubou Evo.

COCHABAMBA- Vídeo e fotos enviadas ao Mais RO, mostram populares festejando o golpe militar na Bolívia. Evo Morales renunciou à presidência após ser reeleito pela quarta vez.

Dedo de Bolsonaro

O golpe de Estado na Bolívia ficou em evidência com uma série de áudios revelados pelo jornal boliviano El Periódico, onde é possível ver como alguns importantes líderes opositores convocam abertamente a uma “mobilização até a queda do presidente”. Em um dos áudios, um interlocutor revela o apoio “das igrejas evangélicas e do governo brasileiro”, e fala de um suposto “homem de confiança de Jair Bolsonaro, que assessora um candidato presidencial”.

O áudio não especifica qual, mas bate com as informações de que o Itamaraty está desde maio em conversas frequentes com o líder opositor Luis Fernando Camacho, do Comitê Cívico, o mesmo partido do candidato Carlos Mesa, segundo colocado nas eleições de outubro.

Presidente do Comitê Cívico de Santa Cruz, Luis Fernando Camacho, que convocou militares para um golpe em Evo Morales, foi recebido por Ernesto Araújo, chanceler de Jair Bolsonaro, em maio para tratar do assunto. Após encontro no Itamaraty, Camacho ressalta que recebeu instruções de Araújo sobre como agir diante da Constituição boliviana, que permite reeleições sucessivas no país e que teve o compromisso “governamental” do Brasil sobre a questão.

“Conseguimos o compromisso pessoal e governamental do chanceler Ernesto Fraga Araújo de elevar como estado brasileiro e garante da cpe a encomenda de interpretação da convenção sobre a reeleição indefinida para a cidh. O Chanceler instruiu de forma imediata e na mesma reunião que se realize a consulta”, relatou o opositor, que aparece na lista do caso que ficou conhecido como Panamá Papers como intermediáro e dono de empresas offshore que seria usadas para lavagem de dinheiro de origem duvidosa, especialmente em casos de corrupção.

Ainda no áudio número cinco (a partir do minuto 8), um dos estrategistas da oposição fala que “temos que começar a nos organizar para falar de política nas igrejas, como já se faz a muito tempo no Brasil, que já tem deputados, prefeitos e até governadores da igreja (evangélica)”. No mesmo áudio, nos últimos 3 minutos, se fala no apoio do governo de Israel para o mesmo plano desestabilizador.

EUA e Israel
Entre as muitas gravações – todas elas teriam sido realizadas antes das eleições de 20 de outubro -, chamam a atenção as que mostram como os grupos desestabilizadores contaram também com o apoio dos governos dos Estados Unidos e de Israel.

O primeiro da série de 16 áudios (ouça todos os áudios na reportagem do jornal boliviano El Periódico) mostra a articulação dos opositores com o senadores norte-americanos Ted Cruz, Bob Menéndez e Marco Rubio e a participação da diplomacia estadunidense para fortalecer a estratégia desestabilizadora da oposição. Também se revelam ordens para “queimar estruturas do partido de governo e atacar também a embaixada de Cuba”.

Esta última ideia ainda não aconteceu, mas a estratégia de queimar sedes partidárias, de organizações sociais, e também as casas de figuras políticas de esquerda (como a da irmã de Evo Morales) já está em andamento.

No áudio número 10, um ex-coronel boliviano chamado Teobaldo Cardoso, comenta sobre os preparativos realizados por um grupo de altos oficiais militares, alguns retirados e outros da ativa, que estariam dispostos a iniciar uma guerra contra o governo de Evo Morales.

No áudio 15, os líderes opositores Jaime Antonio Alarcón Daza, Iván Arias e outros membros do partido Comitê Cívicos falam sobre as medidas visando manipular a opinião pública a respeito dos resultados eleitorais, para assim declarar fraude. A conversa cita apoios por parte da Fundação Jubileo, da União Europeia, da Embaixada dos Estados Unidos e de igrejas evangélicas.

Paralelamente a isso, um último áudio, que não consta na matéria do El Periódico e que foi gravado pela ativista boliviana Adriana Guzmán do coletivo Feminismo Comunitário Antipatriarcal, relata o que ela considera “um golpe de Estado com claras características racistas”, com foco na destruição de sede de movimentos sociais ligados à comunidade indígena. Ela conta como as ações dos opositores “destrói sedes indígenas, e sempre atuam queimando as bandeiras indígenas nos locais e içado bandeiras da Bolívia”.

 

Fonte:  Mais RO e revisra FORUM

Facebook Comments