RESENHA POLÍTICA – POR: ROBSON OLIVEIRA

No mesmo dia em que o país bateu recorde de óbitos por Covid-19, o Desembargador Roosevelt Queiroz, Tribunal de Justiça de Rondônia tornou sem efeito a correta decisão da juíza Juliana Couto Matheus Maldonado Martins de suspensão do decreto estadual que autorizava a abertura do comércio e templos religiosos durante o feriado da Páscoa. O decreto vai na contramão dos relatórios epidemiológicos produzidos por pesquisadores que recomendam ações mais rígidas dos governos para conter a pandemia e diminuir o avassalador número de mortes.

 

DESASTRE

Todos os cenários dos especialistas indicam que atingiremos os cinco mil mortos diários em poucos dias, caso medidas de isolamento social mais rígidas não sejam adotadas. Em Rondônia já passamos dos quatro mil óbitos, inclusive no meio judiciário. Na maioria dos estados é o judiciário que tem sido um forte aliado para que os governos adotem as medidas mais adequadas sugeridas pelos especialistas da saúde para minimizar o número alto e amedrontador de mortos. Embora alguns governantes optem prioritariamente por salvar as atividades comerciais, aqueles juízes arbitram em favor da vida. O país vive um desastre sanitário obrigando outras nações a fecharem as fronteiras aos brasileiros. Não vê quem não quer. E ao que parece o desastre atinge outros setores…

 

GUARDIÃO

Pode falar o que quiser, mas o Ministério Público colabora de forma incisiva com as autoridades sanitárias e tem sido diligente ao requerer ações mais afirmativas e firmes para que a pandemia seja contida, salvando, assim, novas vidas.

 

AGLOMERAÇÃO

É uma empulhação intelectual alegar a liberdade religiosa como justificativa para escancarar as portas dos templos propiciando a aglomeração. Rezar é um direito de todos e essa liberdade pode ser exercida nas próprias casas, o que ninguém ou nenhuma autoridade vai proibir. O que se evita com as igrejas de portas fechadas neste momento crítico da pandemia é a aproximação entre as pessoas e, portanto, a propagação do vírus e a doença. Afirmar que isto significa alguma tentativa de censura religiosa é um embuste letal.

 

UTI

Nenhuma autoridade, até mesmo o cidadão comum, desconhece a crise aguda por que passa todo o sistema saúde, seja público, seja privado, com as Unidades de Terapia Intensivas lotadas de pacientes de Covid. Também é de conhecimento público que as equipes de saúde multidisciplinares exigidas para cuidar da doença estão sobrecarregadas e não há profissionais disponíveis no mercado para serem contratados. Em razão disso os especialistas indicam rigidez nas medidas preventivas de isolamento para que o sistema ganhe fôlego e fique em condições de atender melhor seus pacientes. Não compreende a realidade quem não quer.

 

IMPORTUNAÇÃO

Embora também haja uma campanha nacional em curso combatendo crimes contra as mulheres que, com a pandemia, teriam aumentado, muitas delas são vítimas dos assédios mais variados e vulgares, principalmente em condomínios fechados. A coluna conhece um caso escabroso em que uma jovem assediada por uma autoridade terminou perdendo o emprego para evitar que o escândalo tomasse proporções maiores. A solução foi indenizar a jovem e rachar o prejuízo com os demais condôminos. Reza a versão que a jovem teria visitado o leito oficial e o local de trabalho para saciar a lasciva da autoridade enquanto a esposa viajava. A ironia é que a autoridade encapada professa publicamente uma vida casta, mas em privado a permissividade.

 

VACINAS

O prefeito Hildon Chaves confirmou ontem (1) que enviou a carta de crédito ao Fundo Americano que comercializa parte das vacinas produzidas pela AstraZeneca, concluindo todas as tratativas burocráticas exigidas pelas transações comerciais internacionais. Agora é aguardar que o Fundo cumpra a sua parte enviando as 400 mil doses da vacina para Porto Velho. Após este anúncio, Marcos Rocha, governador de Rondônia deu também uma ótima notícia de que estaria importando da Rússia um milhão de doses da Sputnik V.

 

SPUTNIK

Para surpresa de todos a Anvisa informou na quinta-feira (1) que nove estados haviam encaminhado o pedido para importação da vacina Sputnik V, da Rússia.

 

SÃO TOMÉ

Embora o governador de Rondônia tenha anunciado a aquisição de um milhão de doses exatamente da vacina Russa, na lista de importação revelada pela Anvisa não consta o pedido de Rondônia. É possível que Marcos Rocha esteja fazendo as tratativas de importação isoladamente dos demais entes estaduais, como fez Hildon Chaves, mas é bom dar transparência para evitar fake news; aliás, palavra tão repetida pelo governador. Até que provem o contrário, a palavra do governador é a que vale. Como cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, é melhor acreditar com parcimônia.

 

FURIOSO

De tanto abusar das redes sociais para culpar os antecessores pelas mazelas herdadas na prefeitura de Cacoal, o atual prefeito recebeu uma invertida da ex-prefeita Maria Simões que, entre outros adjetivos, o chamou de descarado. A invertida teria deixado o prefeito Adailton furioso da vida, mas é bom ele baixar a bola e ouvir uma frase profética da antecessora antes que seja tarde.: “vai terminar mal”… Deduz-se da frase que a antecessora profetiza que o atual prefeito não concluirá o mandato. Algo que em Cacoal tem sido uma regra.

(*) Advogado e Jornalista

(**)  O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Mais Rondônia não tem responsabilidade legal pela “OPINIÃO”, que é exclusiva do autor.

Facebook Comments