Foto: Cássia Firmino/ G1

O Restaurante Popular PRATO CHEIO, que funcionou na Rua Teotônio Vilela, no bairro Tancredo Neves, Zona Leste de Porto Velho, continua fechado e sem previsão para ser reativado pelo governo do Estado.

Fechado desde outubro de 2018 para reforma, o restaurante servia cerca de 1,5 mil refeições ao dia, totalizando mais de 35 mil em média e 353 mil ao ano – ao preço de R$ 1.

Na manhã desta terça-feira (10), a Comissão de Defesa do Consumidor (CDC) se reuniu, no plenarinho 02, na Assembleia Legislativa, quando reforçou a necessidade de se obter informações da Secretaria de Estado de Ação Social (Seas), acerca do retorno ao funcionamento do Restaurante Popular, na Zona Leste de Porto Velho.

O deputado Aélcio da TV (PP), que preside a Comissão, leu o pedido de informações à Seas, encaminhado na semana passada, com dez dias para resposta. A reunião contou com as presenças dos deputados Eyder Brasil e Chiquinho da Emater (PSB).

“Há uma necessidade de retomar o funcionamento desse restaurante, que havia sido prometido para o final do ano passado, mas não ocorreu. Ainda está no prazo e espero que a Seas nos encaminhe as informações solicitadas”, disse Aélcio.

O deputado Chiquinho da Emater, que foi o autor do pedido de informações à Seas, aprovado pela Comissão, reforçou essa necessidade. “O restaurante popular atende a uma região muito populosa e com muitas pessoas de baixa renda, que eram beneficiadas com o seu funcionamento”.

Fechado em 2018, a previsão de duração da obra de reforma era de menos de dois meses. Previa a instalação de piso apropriado na área da caldeira, substituição da fiação de eletricidade, mudança do telhado, da mobília e a compra de novos equipamentos para o preparo dos alimentos. E também previa um novo banheiro e a construção de uma estação sanitária para tratamento de esgoto.

Fonte: Mais RO

Facebook Comments