Pool de staking: entenda o conceito para adentrar no universo dos investimentos em cripto

0
236

Entenda o que é, como surgiu e as vantagens desse tipo de operação cripto

Pool de staking, ou staking pools, são plataformas que agregam ativos de vários usuários para consolidar seu poder de staking. Essa abordagem possibilita a distribuição equitativa das recompensas, independentemente da quantidade de ativos detida por cada usuário.

Como funciona o pool de staking? 

Nas redes PoS (Proof of Stake), o poder computacional e de decisão está diretamente ligado à quantidade de ativos possuídos pelo usuário, sendo proporcional ao total de ativos envolvidos no staking. Dado que a maioria dos participantes não tem recursos suficientes para se tornarem nodes/validadores individualmente, muitos optam por contribuir por meio de staking pools.

Esses pools geralmente têm um administrador ou operador próprio, responsável por garantir o funcionamento adequado dos validadores. Os participantes normalmente bloqueiam seus ativos em um staking pool, não podendo utilizá-los até o término do prazo de staking, uma forma de poupança bloqueada. Geralmente, quanto mais ativos são comprometidos, maiores são as recompensas, e períodos de bloqueio mais longos costumam oferecer recompensas mais substanciais, expressas em APY (Annual Percentage Yield), que leva em conta o efeito dos juros compostos.

Dentre os staking pools, destacam-se os protocolos DeFi, como o da Uniswap, onde a liquidez é essencial para o funcionamento. Nessas plataformas, as recompensas incluem uma parte da receita gerada pelos protocolos, como taxas e comissões, resultando em retornos geralmente mais atrativos do que os staking pools convencionais. No entanto, em ambos os casos, os investidores enfrentam riscos, sendo o movimento adverso de preços dos ativos o mais significativo, podendo superar os ganhos obtidos no staking.

Como surgiu o pool de staking? 

A origem do pool de staking remonta ao surgimento do Proof of Stake (PoS) como um protocolo de consenso viável para redes blockchain, introduzido por Sunny King em 2011 no projeto PPCoin (Peercoin). O PoS substituiu o Proof of Work (PoW) e propôs validar e gerar blocos na rede por meio de validadores, eliminando a necessidade de mineradores e seu alto consumo de energia.

Essa evolução não se limitou ao desenvolvimento de redes blockchain, estendendo-se ao setor DeFi. Atualmente, protocolos como AAVE e Uniswap operam eficientemente graças aos seus staking pools, que captam o interesse dos usuários e garantem o funcionamento contínuo de suas plataformas e serviços. O fenômeno dos staking pools levanta questões sobre o seu funcionamento e as diferenças entre pools de validação e os presentes no universo DeFi.

Vantagens dos pools de staking

Os staking pools proporcionam a criação de novos serviços, essenciais para o funcionamento de protocolos DeFi. Além disso, permitem gerar recompensas mesmo em mercados em queda, beneficiando aqueles que veem as criptomoedas como uma forma de economia de longo prazo.

A democratização do acesso ao ecossistema cripto é outra vantagem, pois os pools não exigem um mínimo para participação na validação de uma rede, tornando o mundo criptográfico mais acessível a uma ampla gama de usuários.