vitor-e-jovitaJovita Belfort, mãe do ex-campeão do UFC Vitor Belfort (foto), é candidata a vereadora pelo partido Solidariedade do Rio. Ela é mãe de Priscila Belfort, desaparecida há anos na capital fluminense. Jovita foi uma das principais ativistas do movimento que garantiu ao Rio de Janeiro uma delegacia especializada na investigação de pessoas desaparecidas e pode estar dando o primeiro passo rumo a uma carreira política.

“Muito feliz. Minha mãe Jovita Belfort foi convidada a ser vereadora no RJ pelo partido Solidariedade. Minha mãe transformou sua dor em luta e criou a delegacia dos desaparecidos no Rio. Já entra na vida pública como campeã de uma causa que é de todas as mães de desaparecidos. Parabéns guerreira!”, escreveu o lutador em seu perfil oficial no Instagram.

Jovita em Copacabana, pedindo votos por uma boa causa
Jovita em Copacabana, pedindo votos por uma boa causa

“O Brasil precisa de mudanças na gestão política. E eu quero participar desse processo de mudança, trazendo sangue novo à política brasileira. Foi a vida que me levou a fazer política. Venho fazendo política há mais de dez anos, desde que a minha filha Priscilla desapareceu. A busca por notícias dela me levou a entrar em contato com instituições, autoridades, órgãos públicos, meios de comunicação e, principalmente, outras pessoas que viviam dramas semelhantes ao meu. Pessoas que tiveram parentes desaparecidos. Mas, não apenas elas. Famílias que perderam seus entes queridos em situações de violência, mães de policiais que perderam seus filhos em ação contra criminosos. Mulheres vítimas de violência de seus companheiros ou de homens desconhecidos. Gays vítimas de preconceitos, humilhações e agressões físicas”, disse Jovita Belfort que hoje esteve na avenida Atlântica, em Copacabana, levando a mensagem dela aos eleitores.

Jovita Belfort conversa com o jornalista Roberto Kuppê sobre suas propostas de trabalho
Jovita Belfort conversa com o jornalista Roberto Kuppê sobre suas propostas de trabalho

Segundo ela, “a convivência com todos esses dramas me atingiram de tal forma, que passei a defender outras bandeiras, que não era apenas a minha. Buscando ajudar de um jeito ou de outro. Sendo solidária. Participando de reuniões. Organizando manifestações. Sem que eu me desse conta, percebi que estava fazendo um trabalho político”.  “O que quero, como vereadora, é ter uma estrutura de governo para defender e lutar por essas causas, pelas quais já luto há tanto tempo. Como vereadora posso ter uma estrutura, de âmbito municipal, para trabalhar pelas causas que eu abracei. E as causas que eu abracei, as questões que pretendo defender na minha vereança, se resumem numa coisa única: a questão do ser humano”, disse.

Principais propostas de trabalho de Jovita Belfort

1 –  A questão dos desaparecidos. A divulgação de imagens e informações sobre pessoas desaparecidas. Principalmente entre os mais pobres, que não recebem a devida atenção das autoridades. O fortalecimento da delegacia dos desaparecidos é uma prioridade.

2 – A proteção aos animais é uma das bandeiras que pretendo defender. É preciso respeitar os animais e protegê-los do abandono e de maus tratos

3 – A violência contra a mulher. Isso está por todos os lugares e precisamos cuidar dessa questão com muita atenção. A mulher sofre muitas humilhações e constrangimentos e precisamos lutar com firmeza para mudar a mentalidade da sociedade com relação a isso.
4 – A luta contra o machismo. A violência presente no mundo de hoje tem como principal elemento propulsor, o machismo na sociedade. Vivemos numa sociedade muito machista e preciso lutar contra isso de um modo mais objetivo. Fazendo campanhas, organizando movimentos de combate a essa forma de comportamento, propondo leis e medidas educacionais.
5 – A defesa pelos direitos dos gêneros. Quero ser uma mãezona para todos os que se sentem abandonados nos seus direitos, independente de gênero. Todos tem o direito a felicidade. Cada um é do jeito que é. A diversidade é característica do ser humano.
6 – Lutar pela mudança de mentalidade no que diz respeito a questão dos policiais mortos em combate. A quantidade de policiais que morrem no Rio de Janeiro é impressionante. E a sociedade não fica indignada. Acha que morrer em combate é algo natural para quem é policial. Não é natural não! Pretendo realizar campanhas e trabalhar para que os policiais possam ter mais segurança no trabalho. E buscar maneiras de ajudar os familiares dos policiais mortos em combate. Cada policial que morre é um filho, um marido, um pai, um tio. Existe uma família que sofre e que fica indignada porque seu ente querido morreu lutando pela segurança pública e quase nunca recebe o devido reconhecimento.
– Trabalhar para diminuir a quantidade de mendigos e pessoas morando na rua. É preciso que seja feito um trabalho sério nesse sentido aqui no Rio. Defender melhores condições de vida nos abrigos. Ajudar aqueles que desejam sair da mendicância. Já pesquisei sobre o assunto e sei que muita gente pode mudar de vida se receber um pouco de ajuda. Mas as autoridades não se interessam por esse assunto. Pois então eu quero ser uma autoridade que vai se interessar pelo assunto. A vereadora que vai cuidar dessa questão.

Por último, mas não em menor importância, uma luta constante contra a corrupção na política. Mudar a mentalidade do homem público no Brasil. Apoiar leis de combate a corrupção. Ninguém deve seguir a vida pública com a mentalidade de obter lucro financeiro ou vaidade pessoal. A função do homem público é servir ao povo. E é assim que pretendo agir como vereadora: servindo ao povo. Trabalhando para que a cidade do Rio seja cada vez mais humana. Pois, como já afirmei no início desse texto, meu objetivo principal é o ser humano.

 

 

 

Facebook Comments