Lideranças indígenas e empresários representam Rondônia na COP-28, em Dubai

0
174
Neidinha Suruí (de camiseta preta) na COP 28 em Dubai

PORTO VELHO- Lideranças dos nove estados das Amazônia brasileira estão representados na delegação da Coiab que participa da COP28, em Dubai. Uma delegação de lideranças indígenas, ativistas e empresários de Rondônia está em Dubai, nos Emirados Árabes, para participar da Conferência de Mudanças Climáticas (COP-28), onde devem discutir os efeitos da emergência climática. O evento inicia hoje, quinta e segue até 12 de dezembro.

Pode ser uma imagem de 1 pessoa, lego e textoEstão em Dubai as ativistas Txai Suruí, a mãe dela, Neidinha Suruí (foto) e o pai, o cacique Almir Suruí. A ativista Txai Suruí ficou conhecida na COP 27, na Escócia, onde fez um discurso que repercutiu mundialmente.

O ativista Iremar Antonio Ferreira, coordenador do Instituto Madeira Vivo, que atua na defesa e promoção dos direitos socioambientais em RO,  membro do Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Socioambiental, viajará neste sábado, 2,  a convite do Fundo Socioambiental CASA, para Dubai.

O presidente do Conselho de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Marcelo Thomé, que é presidente também da Fiero, está em Dubai. A CNI terá um estande próprio na “Área Azul” da conferência gerenciada pela ONU. O local é onde ocorrem as negociações e lá, em um espaço de 100 m2, a CNI vai exibir o trabalho que o setor faz há décadas para se tornar cada vez mais sustentável.

COP-28

A COP reúne 197 países e mais 200 líderes internacionais para discutir e desenvolver soluções concretas para mitigar os efeitos do aquecimento global.

A conferência vem sendo realizada anualmente desde 1995 (exceto em 2020, por causa da pandemia) e o termo COP é uma sigla em inglês que quer dizer “Conferência das Partes”, uma referência às 197 nações que concordaram com um pacto ambiental da ONU do início da década de 1990.

O evento é considerado importante pelo governo brasileiros para captar recursos a fim de financiar a preservação de florestas e a transição energética. O presidente Lula (PT) entende que o Brasil tem condições de ser uma liderança global na área.

Mais RO com informações do G1