PORTO VELHO- Após o estouro do escândalo da compra de vacinas pela prefeitura de Porto Velho (RO), divulgado primeiramente por este Mais Rondônia, corre nas redes sociais a busca pelos culpados. Quem colocou o experiente e bem sucedido empresário, prefeito reeleito Hildon Chaves (PSDB), nesta enrascada? O deputado estadual Jair Montes, do Avante, 1º secretário da nova Mesa Diretora da Assembleia Legislativa (ALE/RO), deu um nome. Ele fez um comentário num grupo bastante movimentado de WhatsApp sobre a questão que atingiu Porto Velho nesta quinta-feira (22). “Uma coisa é certa: Marcelo Thomé, esse tem que ser exonerado, pois era o responsável pela investigação da empresa”. No caso, o parlamentar refere-se a Marcelo Thomé da Silva de Almeida.

Thomé é o atual presidente da Agência de Desenvolvimento de Porto Velho (ADPVH), órgão da Prefeitura da Capital, e, paralelamente, mandatário da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO).

A certeza de que Marcelo Tomé é um dos principais culpados ele retirou deste contexto, divulgado pela própria prefeitura de Porto Velho:

“[…] Compra da vacina foi anunciada em março pelo prefeito Hildon ChavesOs procedimentos para garantir a entrega de 400 mil doses da vacina Oxford/AstraZeneca, através de compra direta pela Prefeitura de Porto Velho, estão sendo cumpridos com rigor e responsabilidade, anunciou o presidente da Agência de Desenvolvimento de Porto Velho (ADPVH), Marcelo Thomé, responsável pela negociação com uma representação da fabricante.

Resta saber se o prefeito vai assumir sozinho a culpa. Ah, o prefeito ainda não anulou o contrato de compra das 40 mil doses da AstraZeneca fantasma, segundo matéria publicada no site da prefeitura.

O deputado Jair Montes é aliado do governo estadual e adversário do prefeito da capital. Em 2020 ele lançou o advogado Breno Mentes, candidato do Avante à prefeitura de Porto Velho.

Assessor direto do deputado do Avante, o professor Herbert Lins publicou nas redes sociais:

Venhamos e convenhamos, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) caiu no conto do vigário e ficou na mão de malandros por conta da sua arrogância e falta de humildade o tempo todo a frente da prefeitura de Porto Velho. O episódio da compra das 400 mil doses de vacinas querendo demonstrar que saiu na frente do Governador Marcos Rocha (sem partido), resultado de uma manobra politiqueira, revela aquilo que venho dizendo há muito tempo: a equipe da Semusa é fraca, muito fraca e o tempero final desse angu,, contou com a incompetência e imprudência dos gestores da Agência de Desenvolvimento Municipal, colocando o prefeito numa saia bem justinha, aquelas que as moças vestem para trabalhar a noite. Contudo, mediante o trecho da entrevista no link abaixo é possível compreender a insegurança em relação a negociação e origem das vacinas que só descobriu a fraude por conta dos prefeitos do Rio de Janeiro que acionaram a polícia. A manobra da compra das vacinas prova que o prefeito Hildon Chaves ainda é um neófito no jogo de poder e no quesito relações internacionais pra se deixar cair numa cilada dessa, passando tamanha vergonha, portanto, querer andar sozinho sem sua muleta Expedito Júnior (PSDB), vai se meter ainda mais em outras lambanças. Como remédio, é reconhecer que errou! Ass. Prof. Herbert Lins

Por Mais Rondônia com informações do Rondônia Dinâmica

Facebook Comments