Guarín veste a camisa e revela escolha pelo Vasco após conversa com Luxa: “Me convenceu”

O Vasco ganhou mais um reforço para a temporada. Fredy Guarín, de 33 anos, foi oficialmente apresentado nesta quinta-feira num hotel no Rio de Janeiro, vestiu a camisa e teve o primeiro contato com os jornalistas.

O acerto com o novo clube, de acordo com o colombiano, aconteceu muito rápido. Guarín arrancou risadas dos presentes na coletiva ao afirmar que a decisão passou diretamente pela aprovação da noiva Sara Uribe.

– É engraçada a situação que vivi. Foi muito rápida a decisão. Estava em viagem com a minha família. Aristizábal (ex-jogador) me perguntou se eu queria vir jogar no Vasco, e eu falei que iria escutar. Ele disse: “O mister vai te ligar”. Falamos dez minutos, ele me convenceu. Pedi dez minutos para conversar com a minha família. Minha mulher ouviu a conversa com o mister e disse que sim. São elas que mandam, né? (risos) – brincou o jogador, que foi apresentado na presença do presidente Alexandre Campello.

Guarín foi questionado sobre a condição física. O volante não faz uma partida oficial há cerca de três meses – a última partida oficial foi em julho. Sem esconder a vontade de atuar, o jogador entende a necessidade de recuperar o ritmo para dar retorno em campo.

– Por mim, eu já estava no campo. Quero estar bem para fazer as coisas bem. Quero me preparar o mais rápido possível para poder chegar a um bom nível. Quero estar bem tanto fisicamente quanto mentalmente. Não quero chegar no campo e iludir a torcida. Quero fazer o necessário, obviamente o mais curto possível para competir de uma forma importante.

O colombiano assinou contrato até dezembro deste ano com o Vasco. Chega com um custo mensal por volta dos R$ 200 mil. A depender deste período, as partes vão conversar para uma possível renovação do volante para 2020.

– A gente pensa, sim (em renovar). A esposa e o filho já estão fardados (com a camisa do Vasco). Esse é o caminho para conseguirmos (risos) – afirmou Campello.

Os exames médicos de Guarín foram considerados satisfatórios. O volante não tem lesão e mostrou estar em boa forma. A comissão técnica acredita que ele leve cerca de 10 dias para se condicionar.

PLANEJAMENTO DE CARREIRA

– Eu tinha proposta de jogar nos EUA. Foi uma decisão de família, há um tempo que estava pensando em viver nos EUA. Meu filho menor é americano. É um projeto de vida. Queria ficar para o início de 2020 e jogar lá. Mas, no momento em que o Luxemburgo ligou, me convenceu.

LUXEMBURGO

– O que conheço das equipes que ele comandou, são equipes boas, que jogam um bom futebol. O que falei com ele foi de ajudar no projeto. Espero poder ajudar o máximo possível, tanto dentro quanto fora de campo.

NEGOCIAÇÃO COM O FLAMENGO

– Nunca falei diretamente com a diretoria do Flamengo. Quem falou foi meu empresário, que esteve em contato com eles. Nunca consegui falar com eles.

CARACTERÍSTICAS DE JOGO

– O que eu já fiz na minha carreira é ajudar na defesa e no ataque. Jogo como volante, com bons chutes.

O NÚMERO 13

– O número 13 é o meu número da sorte. Sempre usei. Na seleção também. É o número da sorte da família.

PRIMEIRA PASSAGEM PELO FUTEBOL BRASILEIRO

– Quero agradecer ao presidente, à torcida, ao mister (Luxemburgo) por me dar essa oportunidade de jogar no Vasco. É minha primeira vez no Brasileirão, tenho muita vontade e motivação de poder ajudar a equipe a continuar com a história do Vasco.

VITÓRIA CONTRA O ATLÉTICO-MG

– Não consegui ver o jogo porque estava no avião. Estava viajando. Quando cheguei, meu pai falou que tínhamos ganhado com um gol no último minuto. Fiquei muito contente.

JOGO CONTRA O SANTOS EM SÃO JANUÁRIO

– Espero emoção, ter contato com o torcedor do Vasco. Ainda não consegui, porque estava fazendo coisas. Quero ter o feeling com a torcida. Nas redes sociais vi muitos comentários da torcida. Fiquei muito emocionado. Espero poder dar emoções ao público.

RELAÇÃO COM ARISTIZÁBAL

– Nas poucas vezes em que estive com Aristizábal, sempre tive relação boa. Para nós, ele é um ídolo na Colômbia. Uma referência na seleção e nas equipes onde jogou. Não falo muito com ele, mas as vezes que falo são sobre futebol.

OSWALDO HENRÍQUEZ DE GUIA?

– Ainda não consegui falar com o Henríquez. Sei que ele já está aqui há um tempo. Também jogou na minha equipe na Colômbia, o Millonarios. Espero que me ajude dentro de campo.

Fonte: G1

Facebook Comments