Em coletiva de imprensa neste sábado (17), no Palácio Rio Madeira, em Porto Velho, o governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, além de explicar sobre as mudanças nas medidas de enfrentamento à pandemia, informações sobre a construção do Hospital de Emergência e Urgência de Rondônia (Heuro).

O Estado que já foi apontado nacionalmente como detentor do pior hospital de urgência e emergência do país, dá início a uma nova história para a saúde dos rondonienses com a publicação em Diário Oficial do edital para contratação de empresa que vai construir o Heuro, em substituição ao Hospital João Paulo II, onde atua uma equipe altamente capacitada, mas com o contraste de ter uma estrutura ultrapassada.

Ainda na coletiva, o governador, coronel Marcos Rocha, destacou que a nova unidade hospitalar de Emergência e Urgência de Rondônia é prioridade do Governo, pois é um compromisso dar à população um lugar digno para o tratamento médico-hospitalar. Ele lembrou que uma das primeiras medidas que adotou na gestão foi o “SOS João Paulo” para retirar os pacientes do chão do hospital, com a contratação de leitos em unidades particulares.

Ao mesmo tempo, houve um trabalho com afinco pela equipe da Superintendência Estadual de Licitações (Supel), e Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), juntamente com a consultoria da empresa B3, uma das principais empresas de infraestrutura de mercado financeiro no mundo, para dar celeridade aos trâmites das etapas para que o novo hospital se torne uma realidade, que culminou no certame.

‘‘É um momento de muita alegria, depois de muitos anos de espera pela nossa população, temos agora a abertura do edital para construção do Heuro, que vai substituir o Pronto Socorro João Paulo II, que já não tem uma estrutura adequada, permitindo o início da construção ainda este ano, em um modelo inovador, o Built to Suit(BTS), que garante mais rapidez na construção’’, afirma o governador.

‘‘A partir de segunda-feira (19), em um prazo de 30 dias, as empresas poderão apresentar suas propostas. Tornar o Heuro uma realidade é um processo complexo com diversas fases na qual aplicamos as diretrizes do Governo de transparência, dentro da legalidade e de forma célere. É uma modalidade diferente para Rondônia e vai permitir em curto prazo cumprir essa entrega à população. O Estado fará o pagamento mensal, o VPM, durante a construção, e ao ser concluído, o hospital será revertido ao Governo’’, garante o superintendente Estadual de Licitações (Supel), Israel Evangelista.

“É a realização de um sonho, pois o Pronto Socorro João Paulo II possui excelentes profissionais, mas a estrutura é arcaica e pequena. Têm 140 leitos, sendo que no novo hospital serão 399. O João Paulo tem 10 leitos de UTIs e quatro salas de cirurgias, teremos 64 leitos de UTIs e 10 salas de cirurgias no Heuro, além dos novos espaços como, por exemplo: sala de Hemodinâmica para fazer cateterismo cardíacos, angiografias cerebrais, abdominais e coronárias’’, disse o secretário de Estado da Saúde (Sesau), Fernando Máximo.

O governador destacou ainda que o Hospital de Campanha da covid-19, servirá no pós-pandemia como unidade hospitalar de retaguarda para o Heuro. ‘‘Nós estamos trabalhando para fortalecer a saúde. A pandemia vai embora e Rondônia terá uma estrutura adequada para atendimento médico, seguindo firme em todos os eixos de desenvolvimento por meio de uma administração transparente e correta, seja na estrada, na Educação, na Economia, na Segurança ou na Saúde’’, afirma o governador.

 

Facebook Comments