Dermatite canina: tudo que você precisa saber sobre esse problema

0
433

Investir tempo em cuidados regulares com a pele do cachorro é uma prática essencial para garantir uma vida saudável e feliz 

Podemos dizer que uma coçadinha aqui e outra é um movimento natural para os amiguinhos de quatro patas. Todavia, quando a coceira torna-se um tanto persistente, passando a interferir nas atividades cotidianas do cãozinho, resultando em feridas na pele, isso pode ser um grande sinal de dermatite canina, um problema bem sério.

O termo dermatite canina pode soar um tanto familiar, afinal de contas, nós humanos também enfrentamos esse problema de pele. No entanto, é fundamental entender que ambos os problemas devem ser tratados de forma distinta. Nesse sentido, se houver algum cachorro que tenha sido diagnosticado por um veterinário com dermatite canina, é fundamental tomar algumas medidas.

A dermatite canina, em termos gerais, envolve qualquer inflamação na pele do pet. Essa inflamação, por sua vez, pode ser caracterizada por vermelhidão, descamação e pequenas feridas. Embora seja mais comum em determinadas raças, pode ter diversas origens, com destaque para desequilíbrios na atuação de fungos e bactérias.

Nessa perspectiva, é importante destacar que os sintomas podem variar conforme a causa e o estágio em que a doença encontra-se, tornando elementar identificá-los precocemente. Coceira e descamação, queda de pelo e vermelhidão na pele são sinais comuns, podendo evoluir para feridas mais graves.

É por essa razão que, ao perceber qualquer tipo de alteração na pele do cãozinho, deve-se correr e consultar um veterinário o mais rápido possível. Em síntese, existem diversas condições, incluindo problemas hormonais, como a síndrome de Cushing, que podem desencadear a dermatite canina.

No que se refere ao diagnóstico, esse geralmente é conduzido pelo veterinário, considerando a vida, alimentação, hábitos e histórico do paciente.

Isso quer dizer que os tratamentos, portanto, variam conforme a causa, podendo incluir banhos com shampoos específicos e, no caso de alergias alimentares, a indicação de uma reação hipoalergênica. Não obstante, é importante salientar que a prevenção da dermatite canina é algo possível, basta seguir medidas simples.

Entre essas medidas, manter o uso de antipulgas, produtos específicos para cães nos banhos, secar bem a pele após o banho e manter a higiene da casa e dos acessórios do cachorro são algumas medidas elementares. Dessa forma, ao seguir tais diretrizes, torna-se possível reduzir de forma considerável as chances de o cãozinho enfrentar esse desconforto cutâneo.

Além disso, para aqueles que estão buscando uma solução eficaz para a dermatite canina, vale a pena conhecer o Dermotrat, parte essencial do tratamento contra a dermatite alérgica a pulgas e que proporciona alívio e bem-estar ao companheiro de quatro patas. No fim, cuidar da pele do seu cão é uma responsabilidade vital para garantir não apenas o conforto do animal, mas também a sua saúde geral.