Por Roberto Kuppê (*)

Eleições 2020

Na opinião do colunista Carlos Sperança (Diário da Amazônia), o cenário não estaria nada bom para Hildon Chaves (PSDB). Com 23% das intenções de voto e 34% de rejeição, Hildon pode se tornar o “adversário ideal” pra quem disputar o segundo turno. Portanto, aos demais, o importante agora é garantir uma vaga no segundo turno! Por outro lado, surge no horizonte a figura de Vinícius Miguel (Cidadania), com 12 pontos no Ibope, com a mais baixa rejeição, com apenas 35 anos de idade e muito pneu pra queimar.  Ainda segundo Carlos Sperança, “o prefeito tucano vai precisar suar a camisa para melhorar a situação até o pleito de 15 de novembro. Tem alguns trunfos que precisam ser melhor explorados pelo seu marketing: Nas tendências e projeções de campanha, constato que se fala de tudo do alcaide, mas ninguém diz que seja ladrão ou desonesto. Vamos ver se a inauguração de obras importantes podem reverter o quadro. Os ingredientes iniciais, no entanto, são de sofrência até para chegar ao segundo turno”. É a opinião deste colunista há meses.

Parece piada

Mas não é. O sobrinho de Jair Bolsonaro, Leonardo Índio, que já fez declarações de amor para Carluxo (Carlos Bolsonaro), agora é tratado como ex-sobrinho. Veja se pode um negócio desse. Tudo porque ele estava lotado no gabinete sabe de quem? Do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), pego com dinheiro atolado no c….literalmente falando. O DEM, como sabe, são os partidos dos presidentes do Senado, Davi Alcoolumbre (AP) e da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), além de ser o partido do outro vice-líder do governo, Marcos Rogério (RO). Ônix Lorenzoni (RS), que foi “perdoado” por Moro por Caixa 2, também é do DEM. Onde tem grana o DEM está junto.

PGR ainda tem dúvidas

Em manifestação, o vice-procurador-geral Humberto Jacques de Medeiros defende a necessidade de mais diligências para estabelecer a “ligação dos lastros probatórios encontrados na residência do investigado com os demais indícios relacionados à apuração”. Será que tem que fazer reconstituição bundal?

 

CHARGE DO DIA

Fake news contra o PT

E antes que comece o mimimi, “e o PT?”, o jornal Folha de S. Paulo, através do seu sistema de verificação, atestou ser falsa a informação de que foram encontrados dinheiro na cueca do deputado federal, José Guimarães (PT-SP). A informação, analisada pela Lupa, é falsa. José Guimarães jamais foi detido com US$ 200 mil na cueca. Quem foi preso carregando dinheiro nas roupas íntimas foi um dos seus assessores, José Adalberto Vieira da Silva. Na época, Guimarães era deputado estadual pelo Ceará. Ele foi excluído do processo por decisão unânime da 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), acolhendo um recurso que alegava não haver qualquer prova de que o parlamentar teve envolvimento no caso. De acordo com os autos do processo, a Polícia Federal prendeu Vieira da Silva em flagrante no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, em 8 de julho de 2005. Ele carregava US$ 100 mil na cueca e outros R$ 209 mil em uma maleta, sem comprovação de origem. O Ministério Público Federal afirmou que o dinheiro seria propina obtida pela facilitação de um contrato de financiamento de R$ 300 milhões entre a empresa Sistema de Transmissão Nordeste (STN) e o Banco do Nordeste do Brasil (BNB). Vieira e outros envolvidos negaram as acusações, mas acabaram condenados a pagar multas. A história dos dólares na cueca ocorreu um mês depois da revelação, pelo ex-deputado federal Roberto Jefferson, do escândalo do Mensalão. A prisão do ex-assessor provocou a saída de José Genoino, que é irmão de Guimarães, da presidência do PT. Anos depois, Genoíno foi inocentado, mas, aí sua reputação já tinha ido para a lata do lixo.

Confúcio Moura X Covid-19

O salto no escuro (uma história da pandemia COVID-19) Capítulo 29O senador Confúcio Moura (MDB-RO), está escrevendo uma série sobre o ano da graça de 2020. “Ano da graça que veio atormentar o Homo Sapiens. A humanidade saiu da zona de conforto. Ou da zona de desconforto. Mas, até aí, tudo mal. Porque a COVID-19, que iniciou pelos ricos, aqueles que andam pelo mundo, foi pouco a pouco pegando os que já têm o pesado fardo de carências – os mais pobres”. Segundo Confúcio, “a juventude foi extremamente atacada pelo pavor da doença e por suas consequências. Como também pelo desemprego e pela falta de oportunidade. Já se passaram sete (7) meses que o vírus campeia pelo mundo. As escolas, somente agora, iniciam protocolos de abertura – aqui no Brasil e no mundo inteiro. Um abre e fecha, naturalmente, porque nada se pode dizer que seja definitivo. Porque ninguém sabe nada se o vírus está vivo no meio do povo ou se já foi embora”.

Faltam 27 dias

Ou menos de quatro semanas para as eleições de 2020. Se não chover, milhares de rondonienses irão às urnas depositarem suas esperanças nos candidatos preferidos. Será uma eleição atípica, com pouco contato físico devido à pandemia que ainda persiste. Mesmo assim, muitos candidatos estão indo às ruas, aos bairros e comunidades atrás de votos.

“Lideranças” de H

É nesta época que surgem algumas “lideranças” de bairros e líderes “religiosos” oferecendo votos por dinheiro. A candidata a vereadora Luciana Oliveira (PT), relatou nas redes sociais que fora vítima de uma dessas “lideranças”. Logo para quem foram propor, (desculpe a redundância), uma proposta indecente. Luciana é avessa à esses tipos e à essa prática horrorosa. Mas, há quem aceite são eleitos, se tornando os políticos corruptos de então.

Experiência própria

Em 2010 este colunista sofreu nas mãos de “líderes religiosos”. Assédio à toda hora. Mas, uma destas “lideranças”, fechou com um então assessor da campanha, à revelia deste colunista, um apoio de R$ 110 mil para 11 lideranças (10 pra cada) de uma certa religião. Este que vos escreve estava no Rio, quando acerto foi fechado por um assessor maluco das ideias. Eram 23 horas, já dormindo no apartamento da Barra da Tijuca, quando um pastor liga cobrando. Como este não sabia de nada, negou o fechamento e mandou ele denunciar na Justiça Eleitoral. Não denunciou! Claro, este colunista perdeu as eleições, pois o dito pastor passou a falar mal da candidatura em todos os rincões de Rondônia, pincipalmente nas “igrejas” caça níqueis. Nestas eleições (2010), foram eleitos três deputados federais evangélicos “fervorosos”: Lindomar Garçom, Nilton Capixaba (preso) e Marcos Rogério. Ah, quanto ao assessor de campanha, foi demitido na hora das funções, virando inimigo.

Herdeira do Odacir

Sílvia Soares, filha do saudoso Odacir Soares, é candidata a vereadora pelo Republicanos de Porto Velho. Inteligente, dinâmica e humana. Além disso tudo, protetora dos animais. Tem uma ONG. Como vereadora pretende atuar no social e nas demais demandas da capital como saúde, educação. Tem tudo para ser uma excelente parlamentar.

Nomes de candidatos vereador Porto Velho

A coluna informa o nome de alguns bons candidatos a vereadores de Porto Velho: Dabson Bueno (MDB), Barbosinha (PL), Joelson (PCdoB), Sid Orleans (Cidadania), Tiago Lins (Cidadania), Cris Cézar (PSD), Bosco da Federal (PTB), Anísio Gorayeb (PSB), Arnaldo Buiú (PSD), Arimar Sá (Republicanos), Antônio Sávio (PDT), Cliver Heron (PV), Daiana Huff (MDB), Dr. Samir Coimbra (Avante), Luciana Oliveira (PT), Hérika Fontenele (PL), Fernando do Sintero (PT), Francimar Simão (PT), Geraldo Lima (PT), Giovana Barros (PT), Itamar (PT), Itamar Gurgel (DEM), José Ironildo (PT), Moisés Ribeiro (PT), Professor Garivaldo (PT), Raimundo Nonato da CUT (PT), Ricca San (PT), Renata Evans (Cidadania), Silvia Sadeck Soares (Republicanos), William Homem do Tempo (Podemos), Rosa Negra (PT), Paula Vlasak (PT), Chicão Santos (PSB), Chiquinho do Sintax (Avante), Marisa Amorim (PL), e Chiquinho do PT (PT).

 

(*) Roberto Kuppê é jornalista e articulista político

Facebook Comments