Daniel Pereira poderá entrar no jogo

O Sindicato dos Servidores Federais de Rondônia (SINDSEF) está em pleno processo eleitoral, com votação marcada o próximo dia 20, véspera do Carnaval, com duas chapas inscritas: uma encabeçada pelo servidor Paulo Vieira, Chapa 2 “Mudança Já” e a outra a Chapa 1 que tem como candidato a presidente o professor Ildo, esta do grupo do ex-presidente do Sindicato e ex-governador Daniel Pereira. Como é natural em disputas eleitorais, a troca de acusações está grande entre as duas chapas inscritas.

Segundo postagens em um grupo de Whatsapp, feita no domingo (02), a Chapa 2 alerta os servidores que a atual diretoria e a chapa 1 seriam “apenas como bodes expiatórios do poderoso chefão”, que no caso seria Daniel Pereira, o qual controlaria há muitos anos com mãos de ferro a entidade sindical, que seria sua principal base política. A postagem alerta “O que existe lá é uma ditadura exercida por um líder autoritário com intenção de manipular as pessoas e o patrimônio do sindicato em suas pretensões política partidária”.

Segundo informações, a composição da Chapa 1 teria tido influencia direta de Daniel, onde muitas pessoas “foram destituídas por várias vezes, retiraram e incluíram integrantes da administração atual, desrespeitando as pessoas de boas índoles por diversas vezes sem os terem avisados”. Tudo isso teve como objetivo tentar desarticular a inscrição da chapa 2, inclusive para atrair possíveis integrantes da chapa de oposição.

Para Chapa 2, “Se enganam alguns dos sindicalistas integrantes da composição, chapa 1 encabeçada pelo Prof. Ildo. É uma composição com ideologias desastrosas por que, tá rachada em 3 grupos que se digladiam diariamente, lamentavelmente o que o professor Ildo e outros bons nomes que compartilham de conhecimento e boas intenções, vencendo as eleições, já estarão vencidos e não terão nenhuma liderança”.

A chapa 2 defende que o SINDSEF não seja usado como trampolim político, como já ocorreu em passado recente, e tenha como foco a defesa dos interesses e direitos dos servidores federais, sem alinhamento político partidário direto.

Para a oposição, o próximo período terá muitas ameaças aos direitos históricos dos servidores, com o projeto de reforma administrativa do governo federal, que já anunciou o seu envio em breve.

A Chapa “Mudança Já” entende que será necessária uma ampla mobilização dos servidores e uma grande pressão sobre o voto de cada parlamentar da bancada federal de Rondônia, situação que não poderia sofrer influência de possíveis alianças políticas para 2020 e 2022 da cúpula do Sindicato.

A reportagem não conseguiu contato com a Chapa 1. O espaço está aberto para manifestação, tanto para o candidato professor Ildo, como para o ex-presidente Daniel Pereira, ambos citados na matéria.

 

Facebook Comments