Pistoleiro “caça” o ativista social Irailton “Terrinha” D’Aurea,  na Zona Leste de Porto Velho. Dois companheiros de Terrinha foram surpreendidos por um homem armado, na segunda feira. O desconhecido disse que Terrina é seu alvo

Na semana passada o ativista social Irailton D’Aurea , o Terrinha, tornou pública a tramitação de ação de reintegração de posse de uma área de 388,7591 ha de terras na Zona Leste de Porto Velho. A judicialização veio das empresas Porto Park Comercio e Empreendimentos e a Invest Construções e Administração, que se dizem proprietárias da área, onde estão sete bairros e pelo menos trinta mil edificações.

Apesar de ser assunto de relevância social, a ação judicial que corre na Justiça Federal era desconhecida por quase todos, mesmo tramitando desde 2020. A imensa área, segundo Terrinha, é de propriedade da União. A totalidade global foi documentada em nome do italiano Gianstefano Riboni, que supostamente teria “vendido” para as duas imobiliárias. No entanto, as empresas apresentam documentos referentes a apenas cinco mil metros quadrados.

Liderando movimento nos bairros destinado a acelerar processo de ocupação de áreas destinadas ao atendimento da população sem moradia, Terrinha está sendo ameaçado de morte. O Boletim de Ocorrências registrado na 6º DP de Porto Velho mostra que no dia 10  os lideres comunitários Decliumar Gomes de Oliveira e Evandro Pessoa de Oliveira estavam trabalhando num terreno na Rua Esparta, Bairro Cristo Rei, quando um motoqueiro chegou de surpresa, saltou rapidamente do veículo e apontou uma arma de fogo na direção dos dois, perguntando, aos gritos, qual deles era o Terrinha.

Assustados, eles informaram que Terrinha não estava nas proximidades. Mantendo os dois sob a mira da arma , o desconhecido ordenou que fossem caminhando a um ponto encoberto pela vegetação. Evandro e Decliumar entenderam que poderiam ser executados pelo pistoleiro tão logo estivessem encobertos pela vegetação, no ultimo recurso, se recusaram a continuar andando, enfrentando o desconhecido.  Como nem dos dois era seu alvo, o homem recuou até a moto, sempre mantendo a arma apontada, e foi embora. Antes, reforçou a mensagem: Terrinha estaria com marcado para morrer.

Na manhã do dia 11 Terrinha, Evandro e Decliumar registraram boletim de ocorrências  na 6 DP e agora as famílias carentes que precisam de um terreno pra fazer suas casas trabalham na área em numerosos grupos.

Irailton “Terrinha” D’Aurea é o único remanescente do grupo que tinha também  os falecidos deputados Ernandes Indio e Raquel Cândido, responsáveis pela formação de quase todos os bairros da Zona Leste de Porto Velho. Não é a primeira vez que o ativista social é ameaçado, mas conforme ele, ter “experiência” em ser alvo de pistoleiros não diminui o risco. “A situação é desconfortável mas eu confio no trabalho da Policia”, disse ele, garantindo que não desistirá  do projeto voltado para garantir moradia a famílias carentes, providência que, segundo Terrinha, deveria ser prioridade para os gestores públicos.

Leia mais sobre o assunto: Reintegração de posse: sete bairros na Zona Leste de Porto Velho sob risco de extinção

Fonte: Hoje Amazônia

Facebook Comments