Após aposentadoria, juiza Euma Tourinho é o nome do MDB para a prefeitura de Porto Velho

0
459
Euma Tourinho, pré-candidata a prefeita de Porto Velho

PORTO VELHO- A seis meses para as eleições municipais, o MDB deverá bater o martelo na indicação da juiza aposentada recentemente, Euma Tourinho, para disputar a vaga de pré-candidata a prefeita de Porto Velho pela Frente Ampla a ser formada por pelo menos dez partidos de esquerda e de centro.

O senador Confúcio Moura se reuniu com Fatima Cleide em Brasilia

O nome de Euma foi tema de reunião em Brasilia nesta terça, entre o senador Confúcio Moura (MDB) e a ex-senadora e pré-candidata a prefeita de Porto Velho, Fátima Cleide (PT).

Euma Tourinho destacou-se pelo comprometimento com a justiça e pela dedicação ao aprimoramento profissional. Graduada em Direito pelo Centro Universitário de Araraquara-SP, a juíza continuou a se aprimorar com especializações em Direito Constitucional pela Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia – FARO, e em Direito Constitucional Aplicado pela Faculdade de Direito Professor Damásio de Jesus, Curso de Altos Estudos em Defesa (CAED), na Escola Superior de Defesa, Constelação Familiar, além de obter um MBA em Poder Judiciário pela Fundação Getúlio Vargas-FGV.

Em 1999, ingressou como juíza de Direito no TJRO, iniciando uma carreira marcada por grandes conquistas. Ao longo dos anos, foi juíza substituta na capital, sendo promovida todas as vezes por merecimento, para as Comarcas de Espigão do Oeste, Cacoal e retornando para a capital. Também foi juíza de direito em Jaru, atuou na Turma Recursal e no Tribunal de Justiça, por convocação.

Ocupou cargos de destaque, incluindo a titularidade da Vara de Proteção à Infância e Juventude, foi juíza auxiliar da presidência no biênio 2018/2019 e presidente eleita e reeleita para a Associação dos Magistrados do Estado de Rondônia (AMERON).

Sua atuação ultrapassou as fronteiras das funções judicantes, abrangendo atividades administrativas em comissões voltadas para a otimização dos processos judiciais, como o Comitê Técnico Gestor do Sistema Eletrônico de Execução Unificado, a Central de Conciliação de Precatórios, a Coordenadoria da Infância e da Juventude, Juíza Auxiliar da Presidência do TJRO, Comitê Técnico Gestor do Sistema Eletrônico de Execução Unificado, Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos, Sistema dos Juizados Especiais e do Programa Justiça Rápida Itinerante, dentre outras.

Euma Tourinho foi agraciada ao longo de sua carreira com importantes reconhecimentos, destacando-se o Voto de Louvor da Câmara Municipal de Porto Velho em 2019, a Medalha Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados em 2018, a Medalha do Mérito Legislativo da Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia (ALE-RO) em 2017 e a Medalha do Mérito Governador Jorge Teixeira de Oliveira do Governo do Estado de Rondônia em 2014. Além de seu papel como juíza, ela assumiu funções de liderança e representatividade, sendo a primeira mulher a presidir a Associação dos Magistrados do Estado de Rondônia (Ameron) desde 2020, evidenciando sua habilidade de liderança e seu compromisso com a valorização e defesa dos interesses da magistratura.

Além do nome de Euma Tourinho, a Frente Ampla tem Fátima Cleide (PT), Vinicius Miguel (PSB) e Benedito Alves (PSD) que disputarão uma prévia para definir quem será o candidato a prefeito e a vice-prefeito de Porto Velho. Os nomes serão apresentados oficialmente nesta quinta-feira em Porto Velho.

Por enquanto, um dos nomes já definidos é o da ex-deputada federal Mariana Carvalho (Republicanos) que contará com apoio de um leque de partidos, a maioria bolsonarista. Mariana Carvalho é um política de sorte e muito inteligente. Com pouca idade, já foi vereadora, deputada federal, se formou em medicina e hoje é reitora da FIMCA, cargo para o qual fez Doutorado.

Pré-candidato também, o deputado federal Dr. Fernando Máximo (União Brasil) não tem apoio dentro do próprio partido e deve migrar para outra legenda até esta sexta, possivelmente para o PL.

A janela para troca de partidos se encerra nesta sexta-feira para detentor de mandato de vereador. O advogado e especialista em legislação eleitoral, Nelson Canedo, reforça que no sistema eleitoral proporcional (vereadores e deputados), a regra é que o mandato pertence ao partido. Logo, uma vez desfiliado, o parlamentar perderia o mandato por infidelidade partidária. Todavia, a norma prevê algumas hipóteses em que a desfiliação não deságua na perda do mandato. Dentre elas está a janela partidária.

Mais RO