APÓS 7 ANOS, PATRÃO E EX-EMPREGADO DIVIDEM 40 MILHÕES DA MEGA SENA

 

O jovem disse que os números eram combinação do celular
O jovem disse que os números eram combinação do celular

Um acordo entre o patrão e o ex-empregado acertadores do concurso da Mega-Sena 898, de 2007, encerrou sete anos de disputa na justiça pelos R$ 27,7 milhões do prêmio. Enquanto esteve retido na Caixa Econômica Federal à espera de uma decisão, o valor corrigido ultrapassou os R$ 40 milhões. Os dois envolvidos decidiram dividir o dinheiro, para evitar mais espera.

O bilhete premiado saiu em Joaçaba, a 470 quilômetros de Florianópolis. O patrão entrou com o dinheiro e ex-empregado com o palpite, mas os dois se desacertaram na hora de receber o prêmio.

joa2Quando os números foram sorteados, Altamir Igreja ligou para o pai de Flávio Bassi e disse que lhe daria apenas uma motocicleta. Em seguida, sacou R$ 2 milhões e saiu da cidade.

Bassi foi à justiça de primeira instância, em Joaçaba. O dinheiro foi bloqueado. Altamir Igreja voltou à cidade e, em sua defesa, alegou que os números eram uma combinação das datas de nascimento dos filhos.

Em segunda instância, a disputa foi para o Tribunal de Santa Catarina. Flávio Bassi venceu, provando que os números eram do seu telefone celular.

joa3O caso subiu ao Superior Tribunal de Justiça. Em 2012, o STJ decidiu pela divisão do prêmio em partes iguais. Não satisfeito, Igreja recorreu da sentença. Passou-se mais um ano e meio até a publicação da decisão, que devolveu o processo à Vara de Joaçaba para a divisão judicial.

Agora com 33 anos emilionário
Flávio agora com 31 anos e milionário

No período, Altamir Igreja mudou-se para o interior do Paraná. Flávio Bassi, agora com 31 anos, mudou-se para Catanduvas, no interior catarinense.

Para a decisão final, acertada na quarta-feira (26), apenas os advogados das duas partes compareceram ao juizado de Joaçaba para selar o acordo, encerrando a disputa. O juiz autorizou a Caixa Econômica Federal a liberar o dinheiro retido.

UOL

Facebook Comments