Valdir Raupp lamenta crescimento da população carcerária: 403% em 10 anos

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) chamou a atenção para a superlotação do sistema prisional brasileiro, onde 580 mil presos se amontoam em vagas para 376 mil pessoas.

O déficit, portanto, é de 204 mil vagas, um número que seria maior se os 190 mil mandados de prisão já emitidos tivessem sido executados, afirmou o senador, acrescentando que apenas 60% dessa população é formada por condenados. Os outros 40% são presos provisórios que ainda não foram julgados.

— É a política do prende primeiro, pergunta depois. O Brasil já ocupa o quarto lugar na lista de países com maior população prisional, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, China e da Rússia.

Valdir Raupp disse ainda que de janeiro de 1992 a junho de 2013, enquanto a população brasileira cresceu 36%, a população carcerária cresceu 403%.

E os prejuízos, disse ele, não são só dos presos, que têm seus direitos violados a cada dia nesse cenário. A população toda perde, pois é condenada diariamente a viver em uma sociedade violenta.

Agência Senado 

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) chamou a atenção para a superlotação do sistema prisional brasileiro, onde 580 mil presos se amontoam em vagas para 376 mil pessoas.

O déficit, portanto, é de 204 mil vagas, um número que seria maior se os 190 mil mandados de prisão já emitidos tivessem sido executados, afirmou o senador, acrescentando que apenas 60% dessa população é formada por condenados. Os outros 40% são presos provisórios que ainda não foram julgados.

— É a política do prende primeiro, pergunta depois. O Brasil já ocupa o quarto lugar na lista de países com maior população prisional, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, China e da Rússia.

Valdir Raupp disse ainda que de janeiro de 1992 a junho de 2013, enquanto a população brasileira cresceu 36%, a população carcerária cresceu 403%.

E os prejuízos, disse ele, não são só dos presos, que têm seus direitos violados a cada dia nesse cenário. A população toda perde, pois é condenada diariamente a viver em uma sociedade violenta.

Agência Senado 

Facebook Comments