Sistema Nacional de Videoconferência . Foto: Gil Ferreira/Agência CNJA 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia (TJRO) julgou, na manhã da última terça-feira (2), uma apelação cível usado o Sistema Nacional de Videoconferência. O advogado fez a sustentação oral do próprio escritório, em Belo Horizonte (MG), em defesa da apelante, que pleiteava o não pagamento de R$563 mil de uma empresa, pela prestação de serviços feitos em rocha, a céu aberto.

O Sistema Nacional de Videoconferência é um projeto piloto do CNJ disponibilizado para todas corregedorias dos TJs do país, que proporciona reuniões interestaduais entre magistrados, porém pode ser utilizado também em julgamentos processuais, como no caso, diante do novo Código de Processo Civil (CPC), segundo do analista de sistemas da Coordenadoria de Informática do TJRO, Roberto Alves Cordeiro, responsável pelo intercâmbio do vídeo.

No julgamento, o desembargador Raduan Miguel Filho, relator do processo, afirmou que o julgamento foi uma demonstração de que o Tribunal está na vanguarda no que diz respeito ao uso da tecnologia para agilizar e facilitar os trabalhos jurisdicionais.

Participaram do julgamento os desembargadores Rowilson Teixeira, Péricles Moreira Chagas e Raduan Miguel Filho.

A primeira vez que o TJRO utilizou a ferramenta foi em 13 de abril, em julgamento da 2ª Câmara Cível, com a participação de uma advogada de São Paulo.

 

Fonte: TJRO

Facebook Comments