SENEPOL INCREMENTA PRODUÇÃO E RENDA EM FAZENDA RONDONIENSE




Mãe e filha, Maura Alves de Souza e Márcia Rejane Souza Silva, são
exemplos da força da mulher no agronegócio. Desde 2010, elas administram
com pulso firme uma propriedade rural em Alvorada do Oeste, em Rondônia
(Fazenda Souza), produzindo e comercializando bezerros desmamados e gado
terminado. Vivem exclusivamente de pecuária e eficiência é a palavra de
ordem na gestão do negócio, razão que as motivaram a investir em uma
raça bovina de origem caribenha que vem ampliando horizontes na pecuária
brasileira. O Senepol é adaptado ao clima tropical, apresenta maior
desempenho de carcaça a pasto, oferece a oportunidade de produzir uma
carne de melhor qualidade e chegou ao Brasil em 2000, desembarcando
primeiro em Rondônia.

Com um plantel da raça Nelore, a fazenda é tecnificada. Conta com
maquinários agrícolas, pastagens de boa qualidade, modernos programas de
manejo nutricional e sanitário, além de troncos de contenção com
balança, algo fora da realidade da maioria das fazendas.  O pastejo é
feito em sistema rotacionado e a dieta é complementada com proteinado e
ração produzida na propriedade em época de engorda.

Mesmo com tanto investimento dentro da porteira, ainda era preciso chegar
à meta de produzir gado mais precoce, objetivo conquistado em 2014, quando
adquiriram da Nova Vida os primeiros touros Senepol.

Assumindo o título de pioneira no Senepol, a referida propriedade
pertencente à Família Arantes importou dos Estados Unidos os primeiros
animais da raça hoje difundida em todo território nacional. Segundo a
Associação Brasileira dos Criadores de Bovinos Senepol (ABCB Senepol),
já são contabilizados mais de 100 mil registros.

Rejane e Márcia, da Fazenda Souza

“Notamos diferenças assim que o gado foi entregue na fazenda. Se
adaptaram instantaneamente e a docilidade natural do Senepol beneficiou o
manejo, tornando-o mais ágil e seguro, além da oportunidade de abater o
gado com até 24 meses de idade. Em média, conseguimos um incremento de R$
200 por animal nas vendas com a genética Senepol”, diz Márcia Rejane,
enfatizando que todos os custos são calculados com critério, para que a
rentabilidade não se perca no processo.

As pecuaristas lucram, mais ou menos, R$ 1.300,00 com a venda de bezerros
machos e R$ 1.000,00 com as fêmeas, ambos desmamados em até 8 meses.
“Com amparo tecnológico, queremos dobrar a produção utilizando as
mesmas instalações. Tenho no Senepol um importante aliado, tanto é que,
no próximo ano, utilizaremos exclusivamente touros da raça”,
complementa Márcia Rejane.

EFICIÊNCIA A CAMPO

Apesar de ser uma espécie taurina, o Senepol é rústico por natureza.
Resiste ao calor, aos parasitas e o gado percorre grandes extensões em
busca de alimento, fruto de anos de seleção nas Ilhas Virgens e no
Brasil. Um único touro é capaz de emprenhar mais de 40 vacas numa
temporada. “Eles correm mesmo atrás da vacada, sem refúgio de sombra, e
não apresentaram nenhum problema de fertilidade nesses cinco anos de
serviço na fazenda. O resultado final são taxas de prenhez cada vez mais
elevadas, chegando a 90%”, complementa Maura.

Utilizando o Senepol, a Fazenda Souza também reduziu a incidência de
partos distócicos, que poderiam comprometer a fertilidade de boas matrizes
e onerar o manejo pela necessidade de um veterinário. Os bezerros
meio-sangue Senepol nascem pequenos, reduzindo as chances de intervenções
cirúrgicas.

Na desmama, época de maior conversão alimentar, a bezerrada costuma
render arroba extra, tornando mais eficiente a produtividade. Com uso de
_creep-feeding_, desmamam com até 300 kg, chegando a [email protected] aos 24 meses,
quando seguem para abate em Ji-Paraná. Recebem até uma simbólica
bonificação pelo padrão de carcaça e a qualidade da carne.

Já as bezerras, que são férteis e boas de leite, costumam ser
direcionadas à reposição. “Vários pecuaristas visitam nossa fazenda
para conhecer os resultados que o Senepol é capaz de oferecer. Assim que
reestruturarmos nossas instalações, começaremos nossa própria criação
de Senepol PO”, conclui Márcia Rejane.

Facebook Comments