SECRETÁRIO ADJUNTO AGIA PARA FRAUDAR SEGURO DESEMPREGO NA PREFEITURA DE PORTO VELHO

Ayres Eduardo Servo Rauen (D), envolvido no escândalo
Ayres Eduardo Servo Rauen (D), envolvido no escândalo

O secretário adjunto da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Socioeconômico e Turismo (Semdestur), Ayres Eduardo Servo Rauen, está envolvido na fraude descoberta semana passada pela própria prefeitura de Porto Velho. Uma servidora da Semdestur que teve seu nome envolvido na fraude com o seguro desemprego dentro do Sine Municipal, e que pode ter causado um rombo de milhões de reais aos cofres da união, esteve na presidência da Câmara Municipal de Porto Velho,  prestando depoimento. Durante mais de três horas ela foi ouvida por vários vereadores, dentre eles os vereadores Everaldo Fogaça (PTB), Chico Lata (PP), Dim Dim (PSL), Marcio do Sitetuperon (PSB), Eduardo Rodrigues (PV), Jurandir Bengala (PT) e ainda a procuradora da casa.

A servidora, em depoimento oficial, entregou como funcionava  todo o esquema de fraude. Ela falou dentre outras coisas, que era atendente e foi retirada de seu local normal de trabalho, para atender diretamente dentro do gabinete do secretario adjunto, Eduardo Rauen. Que era orientada a proceder a fraude, adulterando os valores das parcelas para até R$1,500,00 (Hum mil e quinhentos reais) e que tudo funcionava sob a orientação do próprio adjunto, o mesmo que foi preso na Operação Xeque-Mate, acusado de gerenciar os negócios da quadrilha de caça níquel em Rondônia.
Entenda o caso
Há uma semana, a prefeitura de Porto Velho descobriu um esquema de fraude no seguro desemprego, realizado por servidores do Sine Municipal. O caso foi investigado e apurado pela Procuradoria Geral do Município (PGM) e também foi comunicado ao Ministério do Trabalho e Emprego, Polícia Federal e Ministério Público Federal (MPF).O próprio secretário titular da Semdestur, Antônio Geraldo Affonso, responsável pelo Sine Municipal, e o procurador do Município, Mirton Moraes de Souza, anunciaram a descoberta do esquema fraudulento.Através de denúncias feitas por trabalhadores que precisavam dos serviços do Sine, Geraldo Affonso foi informado de que servidores do órgão estariam vendendo senhas para atendimento ao preço de R$ 20 cada. Houve também denúncias de que pessoas com acesso ao sistema do Ministério do Trabalho estariam alterando os valores a serem pagos pelo Seguro Desemprego mediante suposto pagamento de “propina”.No que se refere à responsabilidade da prefeitura, Geraldo Affonso afirma que todas as medidas cabíveis estão sendo adotadas. Ele também disse que a administração de Mauro Nazif “preza pela transparência e lisura na utilização do dinheiro público”.

Fonte: Maisro.com, com E-Rondonia e Augusto José.

Facebook Comments