cubna4Missão do Governo de Rondônia formada por técnicos e médicos da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) deverá viajar ainda este ano para Cuba. A informação foi confirmada nesta sexta-feira (16) pelo vice-governador Daniel Pereira e pelo secretário estadual de Saúde Williames Pimentel, durante reunião com o cônsul cubano Alexei Bone Espinosa, que representa o seu país nos estados do Amazonas, Rondônia, Pará, Acre, Roraima e Amapá.

Um dos objetivos da missão será acompanhar de perto do modelo cubano de saúde pública, considerado por vários especialistas um dos melhores do mundo. Pelo método utilizado lá, todos os médicos passam pelo menos três anos na Atenção Básica de Saúde e somente depois desse período dedicam-se às especializações.

Inchaço

O secretário Pimentel lembra que um dos maiores gargalos do Sistema Único de Saúde (SUS) no País é justamente a Atenção Básica, porta de entrada do paciente ao SUS. A maioria das prefeituras – por diversos problemas, inclusive financeiros –, não faz o atendimento de toda demanda, causando inchaço nas unidades do Estado que deveriam atender apenas os casos de média e alta complexidade.

Alexei Espinosa destacou a satisfação do governo de Cuba com a acolhida que o povo brasileiro deu aos médicos cubanos, do Programa Mais Médicos. No total, 226 médicos de Cuba estão em Rondônia, atuando na Atenção Básica, apesar de muitos serem especialistas em várias áreas.

Mais 18 cidades

Segundo o Ministério da Saúde, em Rondônia, 18 municípios poderão solicitar novas vagas pelo Programa Mais Médicos. O ministério vai expandir o programa para assegurar profissionais em municípios com dificuldade de contratação na Atenção Básica.

O novo edital abre uma nova oportunidade para 1.500 prefeituras e garante a incorporação de 100% das vagas do Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (Provab). Municípios e médicos deverão aderir ao novo edital até o dia 29 de janeiro. A seleção, aberta nesta sexta-feira (16), integra 424 cidades que ainda não participam do Mais Médicos.

 CINCO MÉDICOS PARA UM POLITRAUMATIZADO

Há 20 anos em Porto Velho, a médica cubana Isel Pantoja participou da reunião. Concordando com a visão ampla de Pimentel, ao defender o modelo macro de atendimento feito por médicos generalistas. Ela citou o exemplo dado pelo secretário, demonstrando que em Rondônia algumas vezes são necessários cinco médicos atender apenas um paciente com politrauma.

Reunião avaliou trabalho de médicos cubanos no Estado

Isel explica tratar-se do profissional autorizado pelo Estado para exercer a medicina que se ocupa da saúde humana, prevenindo, diagnosticando, tratando e curando as doenças, o que requer conhecimento detalhado de disciplinas acadêmicas (como anatomia e fisiologia) por detrás das doenças e do tratamento. Pantoja afirma ainda que tanto o papel do médico quanto o significado da palavra variam ao redor do mundo, mas como compreensão geral, a ética médica requer que médicos demonstrem consideração, compaixão e benevolência frente a seus pacientes. Os médicos podem ser generalistas, isto é, não especializados em nenhuma área específica da medicina, ou especialistas, quando especializados em alguma área, afirma Isel Pantoja.

 

Fonte
Texto: Zacarias Pena Verde
Fotos: Ítalo Ricardo
Decom – Governo de Rondônia

Facebook Comments