Romero Britto foi o convidado do programa ‘Conversa com Bial‘, da TV Globo, da madrugada da última terça-feira (18). A entrevista havia sido gravada há algumas semanas, porém, após o vídeo de uma mulher quebrando uma obra sua viralizar na internet, Britto enviou um vídeo atualizando o caso, e lamentando o ocorrido. O artista, no entanto, não respondeu diretamente às perguntas feitas por Bial.

Confira a declaração de Romero Britto na íntegra abaixo:

“O incidente dos vídeos que estão circulando na internet ocorreu em 2017 e todos podem ver que fui vítima de uma pessoa que foi a uma de minhas galerias em Miami e premeditadamente quebrou uma obra de arte que havia ganhado de presente.

Nunca presenciei tamanho desrespeito em toda minha carreira de artista e repudio atitudes similares contra qualquer ser humano. É natural que minha reação no vídeo veiculado tenha sido de espanto, choque e surpresa com tamanha falta de educação, crueldade e irresponsabilidade.

Infelizmente há pessoas oportunistas que querem ficar famosas à custa dos outros e levam a extremos.

Tentei evitar que a maçã quebrasse com minhas próprias mãos, pois cada obra de arte que crio é muito especial para mim, como um filho, e possuem uma história e carga emocional única. A escultura Big Apple foi inspirada na história de Adão e Eva no jardim do Éden e utilizo a maçã em meu trabalho há anos como símbolo de vida, amor, paz e esperança.

A respeito do que foi divulgado, a verdade é que eu havia feito uma reserva para um grupo de pessoas no restaurante para tomarmos café da manhã e infelizmente de última hora algumas não puderam ir. Pedi o café para todos que foram comigo, brinquei sobre desconto e expliquei o imprevisto ao restaurante que aparentemente não gostou do fato de que nem todos meus convidados compareceram. A música também estava muito alta e não conseguíamos conversar, sendo assim pedi educadamente que abaixassem o volume do som. Como cliente me senti destratado. Não sei qual foi o interesse ou motivo para tal comportamento da funcionária ou da dona do restaurante.

Através da minha arte meu propósito sempre foi o de levar alegria, amor e esperança a todos. Não admito desrespeito e jamais tive a intenção de desrespeitar alguém. O único fato é que os vídeos divulgados mostram uma pessoa agindo com violência contra um artista e o tribunal da internet aplaudindo e fazendo apologia ao ódio. Espero que a consciência dela a julgue.

A internet é muitas vezes injusta e algumas pessoas não estão preocupadas com a verdade. Gostam de confusão, drama, violência, ódio, sangue, negatividade e adoram julgar sem analisar os fatos. Notícias boas não dão publicidade. Ajudo a mais de 200 instituições de caridade e nunca ouvi ou li nada sobre o fato na imprensa brasileira. As mídias precisam ter mais critério com o que apresentam, pois possuem grande responsabilidade social.

Em relação ao meu trabalho criei uma arte única e universal! A arte da felicidade, da alegria e do amor. Adoro cores! Consegue imaginar um mundo sem cores?! Foram anos de trabalho duro para chegar onde estou e inúmeros sacrifícios.

Sempre acreditei que arte é muito importante para não ser compartilhada. Assim como um autor de um livro quer que sua criação seja lida por milhões de pessoas também quero que o maior número de pessoas no mundo possam apreciar minha arte, seja através de uma pintura ou de um produto. Não precisa ser um intelectual para apreciar minha arte, mas basta apenas olhar, sentir, gostar, conectar. Como dizem pelo mundo a minha arte desperta algum tipo de sentimento positivo, de alegria e por isso é tão celebrada, seja por bilionários ou por pessoas simples.

Infelizmente sempre temos pessoas criticando, lutando contra o sucesso dos outros ao invés de focarem em encontrar seu próprio sucesso e maneira de ajudar o mundo e ser relevante para a sociedade.

Vou continuar minha missão de alegrar o mundo, que como nunca antes precisa de mais amor, felicidade, esperança e otimismo!

Romero Britto, artista plástico brasileiro e renomado internacionalmente.”

Fonte: Isto é Gente

Facebook Comments