açaiRepresentantes da organização Raiz Nativa apresentou projeto de ações para sustentabilidade do açaí no estado de Rondônia ao secretário de estado de agricultura Evandro Padovani e o Vice-governador eleito, Daniel Pereira. “Recebemos carta de intenção de uma empresa, com objetivo de implantação de industria frutífera com ênfase no açaí. Mas para que isso ocorra precisamos de estudo de viabilidade  que comprove área de produção de  2 mil hectares de açaí”, explicou  Elias Correia conselheiro deliberativo da ONG Raiz Nativa.

“O estudo de viabilidade técnica e econômica é importante em qualquer atividade empresarial. A proposta é valida pois a mesma busca identificar e elaborar grupos de produtores interessados na atividade socioeconômica dentro do Território Madeira Mamoré,  enfatizou, Julio Peres, gerente de pecuária da Secretaria de agricultura, Pecuária, Desenvolvimento e regularização Fundiária (Seagri).

“A proposta é que o estudo seja realizado em parceria com o Estado e as outras frases com investimentos e custeios do próprio produtor e industria.  O produtor selecionado investirá na instalação e produção das lavouras com garantias da empresa de aquisição da produção. A empresa garantirá a compra e o processamento destes frutos e a sua comercialização”, ressaltou Correia.

“É importe que novas industria venham e se instalem no estado, essa é uma das ações incentivadas pelo Governo do Estado.  Iremos verificar a viabilidade técnica e administrativa para realização deste estudo socioeconômico. O açaí é uma ótima opção de consórcio agroflorestal e com adoção de tecnologias com irrigação e polinização o produtor poderá dobra  sua renda”,  salientou Padovani.

Açai

O açaizeiro (Euterpe oleracea Mart.), palmeira nativa da Amazônia, destaca-se entre os diversos recursos vegetais, pela abundância e produção de um importante alimento para as populações locais, além de se constituir na principal fonte de matéria-prima para a agroindústria de palmito no Brasil. Sua maior concentração natural ocorre em áreas de várzeas e igapós do estuário amazônico, sendo estimada em 1 milhão de hectares e, de forma mais rara, em florestas de terra firme.

Na tentativa de solucionar esse problema, a Embrapa Amazônia Oriental praticou  seleção fenotípica em plantas da Coleção de Germoplasma de Açaizeiro e obteve a  cultivar “BRS-Pará”, a primeira selecionada para as condições de terra firme, que apresenta bons níveis de produtividade de frutos (10 t/ha/ano) e rendimento de polpa (15% a 25%).

 

 Fonte

Texto: Dhiony Costa e Silva
Fotos: Dhiony Costa e Silva

Facebook Comments