gilmar_mendes98-e1464190038461Ao divulgar a conversa de Jucá imprensa desconsidera trechos que envolvem o judiciário

Para a imprensa capitalista, os áudios das conversas entre os Renan Calheiros, Sarney,  Romero Jucá e Sérgio Machado mostra tentativa de “barrar Lava Jato”. É como se essa fosse a principal ou até mesmo a única revelação.

Com isso, a imprensa monopolizada pela direita tenta ocultar, entre outras coisas, o envolvimento do Supremo Tribunal Federal (STF) e de juízes da Lava Jato, no golpe de Estado. Tenta ocultar que a própria Lava Jato foi organizada para viabilizar o golpe.

No diálogo, Jucá fala com todas as letras: “conversei ontem com alguns ministros do Supremo. Os caras dizem ‘ó, só tem condições de [inaudível] sem ela [Dilma]. Enquanto ela estiver ali, a imprensa, os caras querem tirar ela, essa porra [Lava Jato] não vai parar nunca’. Entendeu?”

O judiciário estava comprometido em garantir o desenrolar da Lava Jato como um instrumento do golpe. Jucá admite que existe toda uma manipulação em torno do impeachment, da derrubada de Dilma Rousseff.

A imprensa supostamente interessada em explorar o caso para denunciar e combater a corrupção não questionou quem são os ministros e juízes envolvidos; qual o papel do judiciário na Lava Jato; ou qual é o verdadeiro papel da própria Lava Jato etc.

STF e juízes, todo judiciário, a polícia, o Ministério Público são parte do golpe. A imprensa capitalista tenta ocultar isso para evitar que a população em geral chegue à essa conclusão. Por isso selecionou uma partes específicas da conversa, para destacar aquilo que a direita considera menos impactante para a crise pela qual o País está passando.

Afinal, é muito mais fácil centrar no ministro golpista Romero Jucá do que denunciar os ministros biônicos do STF e outros juízes como o candidato a herói nacional, Sérgio Moro.

Facebook Comments