A Polícia Civil informou que deve montar uma força tarefa para identificar e prender pessoas envolvidas na ação de vandalismo que resultou na morte do suspeito de estuprar, matar e esconder o corpo de uma criança de 10 anos embaixo da própria cama em Fonte Boa, interior do Amazonas. Na ação, moradores invadiram a delegacia da cidade, agrediram e esquartejarem o homem, de 28 anos. Um reforço de 30 policiais foi enviado para o município para ajudar nas investigações.

De acordo com o delegado geral adjunto da Polícia Civil, Orlando Amaral, a população do município se concentrou em frente à unidade policial e deu início à invasão. A delegacia, conforme Amaral, tinha um efetivo de três policiais civis e 15 policiais militares.

“A quantidade da população era muito grande. Se a polícia fosse reagir, além do que reagiu, para evitar o resgate desse preso, o prejuízo poderia ter sido maior para a população. Não foi possível evitar, e retiraram o preso. Mataram, esquartejaram e até tacaram fogo depois”, disse o delegado.

Ainda conforme Orlando Amaral, a delegacia foi apedrejada e viaturas da Polícia Militar também foram destruídas. Após o ocorrido, policiais de Manaus, Coari e Manacapuru foram encaminhados para Fonte Boa para dar apoio à investigação do crime.

“As pessoas serão identificadas e serão punidas. Essas pessoas também cometeram um crime. Teremos que intervir. A equipe está indo para lá e tudo será apurado. Nós temos imagens que pode nos ajudar a identificar os envolvidos para que as prisões sejam feitas e darmos a resposta para a desordem que aconteceu lá”, comentou Amaral.

Delegacia de Fonte Boa, onde suspeito de estupro estava preso, foi destruída — Foto: Reprodução

Delegacia de Fonte Boa, onde suspeito de estupro estava preso, foi destruída — Foto: Reprodução

Conforme o Chefe de Estado Maior, coronel Negreiros, da Polícia Militar, durante o tumulto, a polícia precisou reagir à ação e duas pessoas foram baleadas. Uma está internada em estado grave e outra em estado estável.

“Enquanto a criança era velada em um ponto da cidade, as pessoas estavam insuflando a prática de outro crime. Um crime não pode justificar a prática de outro crime como solução. Tivemos que agir na defesa do patrimônio e da defesa das pessoas que ali estavam. Tínhamos a informação de que uma pessoa estaria armada e precisamos reagir da mesma maneira”, disse o coronel.

Efetivo policial no município

Sobre o efetivo de policiais no município do interior do Amazonas, de 3 policiais civis, o delegado Orlando Amaral comentou que a quantidade é a necessária para a quantidade de população do local.

“Temos um efetivo de acordo com a população. Não temos tantas ocorrências lá. O efetivo é pequeno, mas é um efetivo necessário para a localidade. O fato da questão das pessoas quererem fazer justiça com as próprias mãos é o cúmulo do absurdo”, disse.

Uma força tática de policiais militares também foram encaminhados para o município para atuarem na localização e prisão das pessoas que teriam participado do ocorrido em Fonte Boa.

Fonte: G1

Facebook Comments