Acir Gurgacz
Acir Gurgacz teve punição suspensa e pode votar contra o impeachment de Dilma
Acir Gurgacz teve punição suspensa e pode votar contra o impeachment de Dilma

Os senadores Acir Gurgacz (RO) e Lasier Martins (RS) irritaram o presidente do PDT, Carlos Lupi, quando votaram a favor da admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado em maio. Aliado de Dilma, Lupi chegou a falar em expulsá-los da legenda. Depois disso, Lupi se acalmou e disse que analisaria o comportamento deles para saber como lidar com os dois. Pois bem, tanto Gurgacz quanto Martins votaram a favor de que Dilma seja julgada no plenário do Senado na madrugada desta quarta-feira (10). O único senador da legenda que ficou ao lado de Dilma foi Telmário Mota (RR).

O PDT suspendeu os processos de expulsão dos senadores Lasier Martins (RS) e Acir Gurgacz (RO). Eles votaram a favor da admissibilidade do processo de impeachment no Senado, concorrendo para o afastamento da presidente Dilma Rousseff. Segundo o presidente da legenda, Carlos Lupi, a suspensão dos processos ocorre porque votaram somente a favor da admissibilidade do processo, e não, ao menos por enquanto, pela saída definitiva de Dilma.“Vamos aguardar a votação do mérito”, diz Lupi. Ainda de acordo com ele, Gurgacz se comprometeu a votar contra o impeachment de Dilma.

Mais difícil, porém, é a situação de Lasier. Ele não só desafiou a posição do partido, como, num pronunciamento no final de abril na tribuna do Senado, disse que deplorava “os rumos que vem tomando o meu partido sob a presidência de Carlos Lupi, que vem liderando o desvirtuamento do PDT”. E completou: ”Se Carlos Lupi ama Dilma, que case com ela! Mas deixe o PDT em paz.”

 

Acir entre os 100 mais influentes do Congresso

Cinco deputados federais e dois senadores do PDT estão entre os parlamentares mais influentes do Congresso Nacional. Os deputados André Figueiredo (CE), Weverton Rocha (MA) e Wolney Queiroz (PE) e o senador Acir Gurgacz (RO) integram a lista dos 100 “Cabeças do Congresso” de 2016, produzida pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

Facebook Comments