Operação prende pistoleiros, entre eles um suspeito de assassinar com 14 tiros procurador de Cacoal




Um homem apontado por ter envolvimento no assassinato do procurador da Câmara de Cacoal, advogado Sidnei Sotele, foi preso nesta quarta-feira, durante operação da Polícia Civil. Juntamente com ele, outros quatro, por crimes de pistolagem e agiotagem.

O advogado foi morto com 14 tiros, no dia 7 de maio deste ano.

Além das cinco prisões, foram cumpridos 18 mandados de busca, com apreensões de armas e munições. Os mandados foram cumpridas nos municípios de Cacoal, Ministro Andreazza (RO), Pimenta Bueno (RO), Santa Luzia (RO) e São Miguel do Guaporé (RO).

De acordo com o diretor da Polícia Civil do interior, Jereminas Mendes, essa investigação começou há cerca de três.

“O objetivo dessa operação é investigar o crime de agiotagem que vem ocorrendo na região, e leva até o crime de pistolagem. “Estamos trabalhando não só com a investigação da morte do procurador, mas também vários outros crimes consumados”, disse.

Entenda o caso
O procurador e advogado Sidney Sotele foi morto a tiros, no dia 7 de maio, quando estava no gramado do jardim da Câmara de Vereadores em Cacoal.

Segundo informações da Polícia Militar (PM), a vítima estava na companhia de um colega, quando criminosos chegaram em um carro branco, desceram e efetuaram diversos disparos de arma de fogo. Sidney foi baleado e morreu na hora, no gramado do jardim da Câmara. As câmeras filmaram a execução.

Na tarde do mesmo dia em que o procurador foi assassinado, um homem de idade não informada, foi preso por posse irregular de arma de fogo. Com ele os policiais encontraram uma pistola calibre .40, o mesmo calibre utilizado no homicídio de Sidnei Sotele. Esse suspeito continua preso, mas a polícia não comenta se já foi estabelecida uma relação entre o suspeito e esse homicídio.

Fonte: MaisRO

Facebook Comments