PSORPara lembrar o Dia Mundial da Psoríase e fazer valer no Brasil a Resolução da Organização Mundial da Saúde – OMS –, que estabelece a realização de atos públicos de conscientização sobre a doença em 29 de outubro, em todos os países signatários, a ONG Psoríase BrasilUnião das Associações de Portadores de Psoríase do Brasil – marcou a realização de uma ação no Espaço Mário Covas da Câmara dos Deputados, em Brasília, entre 27 e 29 de outubro. Na oportunidade, a presidente Gladis Lima, o vice-presidente da entidade, José Célio Silveira Peixoto, e o assessor da ONG Jonas Leandro Flores, vão expor materiais explicativos para sensibilizar o Poder Público e os cidadãos sobre a falta de informação, o preconceito sofrido pelos portadores de psoríase e, sobretudo, a falta de políticas públicas no Brasil para tratamentos dessa doença que atinge cerca de 5 milhões de pessoas no País.

 

Criada há 5 anos para apoiar os portadores da doença, lutar por melhores condições de tratamento e pela inclusão da doença na agenda pública de saúde, além do acesso e da disseminação de informações, a ONG Psoríase Brasil busca sensibilizar senadores e deputados a incluir na pauta das políticas públicas de saúde do Brasil os desdobramentos da Resolução da OMS, de 24 de maio de 2014. Em sua 67a Assembleia, a agência das Nações Unidas reconheceu a psoríase como doença  crônica grave, incapacitante, não transmissível, dolorosa, desfigurante e para a qual ainda não existe cura. Na oportunidade, a Organização definiu metas de ação contra a desinformação, o preconceito e a falta de tratamentos a esses pacientes. Desde então, a ONG Psoríase Brasil intensificou a luta travada no início de 2010, buscando ainda mais amparo no Poder Público nacional.

Apesar de a Resolução  da OMS indicar a necessidade de aumento global da consciência sobre a carga psicossocial que os portadores de psoríase sofrem com a falta de conscientização, estigma, preconceito e dificuldades de acesso aos tratamentos, pouco foi feito desde então no Brasil. A falta de tratamento pelo Sistema Único de Saúde, o preconceito e a desinformação são sintomas silenciosos enfrentados pelos portadores de psoríase. De acordo com dados da ONG Psoríase Brasil, 77% dos pacientes afirmam já ter sofrido preconceito por conta da patologia e 43% precisaram mudar hábitos para evitar constrangimentos. Pelas dificuldades de relacionamento social, quem possui psoríase frequentemente enfrenta carga psicológica por estigmas relacionados ao quadro. Momentos intensos de stress tendem a piorar e há altos níveis de doenças como depressão, abuso de álcool e tabaco.

 

 

A psoríase é uma doença inflamatória da pele, caracterizada por manchas vermelhas, e atinge cerca de 125 milhões de pessoas no mundo. A patologia não é contagiosa e não tem causa conhecida, a manifestação ocorre com mais incidência em indivíduos entre 20 e 40 anos, mas pode também pode se manifestar em outras faixas-etárias. Pessoas com psoríase têm mais chance de desenvolver artrite psoriática, causando mutilações e desfiguração. Diabetes, Doença de Crohn, doenças cardiovasculares, obesidade, são comumente diagnosticadas nos pacientes com psoríase. A dificuldade de diagnóstico é outro problema enfrentado pelos pacientes, que costumam demorar de quatro meses a um ano para receber a análise correta sobre a doença. Além disso, faltam especialistas na doença na Rede Pública, remédios e tratamentos.  Em prol da qualidade de vida dessa população, a ONG Psoríase Brasil defende o amplo debate, a fim de alcançar a população que não tem informações sobre a doença, teme a transmissão, e evita o contato com portadores.

 

O que: Ação de Conscientização sobre a Psoríase  organizado pela ONG Psoríase Brasil

Quando: 27 a 29 de outubro (Dia Mundial da Psoríase)

Onde: Espaço Mário Covas da Câmara dos Deputados – Brasília – DF

Facebook Comments