De acordo com uma notícia do jornal americano Fox News, o Comitê de Segurança Interna do Senado votou nesta quarta-feira (16) para autorizar intimações para o ex-diretor da CIA John Brennan, ex-diretor de Inteligência Nacional James Clapper, ex-diretor do FBI James Comey e outros funcionários do governo Obama como parte de sua ampla revisão das origens da investigação na Rússia.

O comitê realizou uma reunião de negócios para autorizar o presidente do comitê Ron Johnson, R-Wis, a emitir notificações para receber depoimentos, intimações, para registros e intimações para depoimentos a indivíduos relacionados à investigação do painel “Furacão Crossfire”, a Justiça, revisão do inspetor-geral do departamento dessa investigação e o “desmascaramento” de americanos afiliados à campanha Trump de 2016, equipe de transição e administração Trump.

O comitê votou 8-6 para autorizar as intimações.

O comitê também autorizou intimações para Sidney Blumenthal, ex-chefe de gabinete de Obama Denis McDonough, ex-conselheira do FBI Lisa Page, ex-agente do FBI Joe Pientka, ex-embaixador nas Nações Unidas Samantha Power, ex-diretor de contra-espionagem do FBI Bill Priestap, ex-cidadão da Casa Branca a consultora de segurança Susan Rice, o ex-agente do FBI Peter Strzok, o ex-advogado do FBI Kevin Clinesmith – que se confessou culpado de fazer uma declaração falsa no primeiro caso criminal decorrente da análise do procurador americano John Durham da investigação das ligações entre a Rússia e a campanha Trump de 2016 – entre outros.

Outra autorização do comitê foi intimações para “a produção de todos os registros” relacionados à investigação original do FBI na Rússia e à investigação do Inspetor Geral do Departamento de Justiça, bem como o processo de “desmascaramento” de James Baker, ex-vice-diretor do FBI Andrew McCabe, DOJ o oficial Bruce Ohr, o agente do FBI Steven Somma, o ex-embaixador dos EUA na Rússia John Teftt, o ex-procurador-geral adjunto Tashina Gauhar; e Stefan Halper.

O comitê, no início deste verão, autorizou intimações para a maioria dos indivíduos nomeados. Na quarta-feira, depois de uma troca de ideias entre Johnson e o principal democrata do painel, o comitê deu o sinal verde final, deixando a autoridade sobre o momento e a programação de depoimentos e emissão de intimações para o presidente.

Halper, um professor da Universidade de Cambridge que supostamente está profundamente conectado com agências de inteligência britânicas e americanas, foi amplamente relatado como uma fonte confidencial para o FBI durante a investigação original da agência sobre a intromissão russa nas eleições de 2016.

No ano passado, o inspetor-geral do Departamento de Justiça, Michael Horowitz, estava revisando o trabalho de Halper durante a investigação na Rússia, bem como seu trabalho com o FBI antes do início da investigação.

Durante a campanha de 2016, Halper contatou vários membros da campanha de Trump, incluindo o ex-conselheiro de política externa George Papadopoulos e o ex-assessor Carter Page. Página também foi alvo de vários mandados da Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISA) durante a campanha.

O comitê também autorizou uma intimação para James Baker, diretor do Office of Net Assessment do Departamento de Defesa. Esse escritório concedeu contratos governamentais à Halper, incluindo um em setembro de 2015.

No mês passado, Johnson emitiu a primeira intimação do painel como parte da análise do comitê sobre a Rússia ao FBI, exigindo que a agência produzisse “todos os registros relacionados à investigação do furacão Crossfire”.

“Isso inclui, mas não se limita a, todos os registros fornecidos ou disponibilizados ao Inspetor-Geral do Departamento de Justiça dos EUA para sua revisão”, afirma a intimação, referindo-se à revisão de Horowitz dos abusos relacionados aos mandados da FISA.

A intimação também exige “todos os registros relacionados a solicitações” à Administração de Serviços Gerais ou ao Escritório do Inspetor-Geral da GSA para “registros de transição presidencial de novembro de 2016 a dezembro de 2017”.

Em junho, o comitê votou para dar autoridade a Johnson para enviar intimações como parte da investigação do painel sobre as origens da investigação na Rússia e o processo de “desmascaramento”.

O comitê autorizou intimações ao FBI para a produção de todos os registros relacionados à Crossfire Hurricane Investigation – o nome do código interno do bureau para a investigação da Rússia, que começou em julho de 2016.

O comitê também autorizou intimações ao Escritório do Diretor de Inteligência Nacional para a produção de todos os registros relacionados ao processo de “desmascaramento” de pessoas ou entidades americanas afiliadas “formal ou informalmente” à campanha Trump, à equipe de transição Trump ou ao Trump administração de junho de 2015 a janeiro de 2017.

O desmascaramento ocorre depois que conversas de cidadãos americanos são acidentalmente detectadas em conversas com autoridades estrangeiras que estão sendo monitoradas pela comunidade de inteligência. As identidades dos cidadãos dos Estados Unidos devem ser protegidas se sua participação for acidental e não houver suspeita de irregularidade. No entanto, as autoridades podem determinar os nomes dos cidadãos dos EUA por meio de um processo que deve salvaguardar seus direitos.

Enquanto isso, o Comitê Judiciário do Senado, em junho, também aprovou uma série de intimações para documentos e depoimentos de funcionários do governo Obama envolvidos na investigação da Rússia como parte da análise do painel sobre as origens dessa investigação.

Com informações: Fox News

Fonte: Terça Livre

Facebook Comments