PORTO VELHO- O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PSL), vai influenciar nas eleições municipais de 2020? Pelo andar da carruagem, mesmo com 120 mil mortes (a caminho), rachadinhas, milícias e desastre econômico, além do toma lá dá cá, Bolsonaro ainda tem um exército de seguidores. E como tem. Todos nós já sabemos quais as pautas de políticos bolsonaristas. Um perigo maior para prefeitos da região Amazônica.

Em Porto Velho, se apresenta como candidato sargento Eyder Brasil (PSL), deputado estadual eleito pelo efeito Bolsonaro em 2018, assim como o insípido, inodoro e incolor coronel Marcos Rocha, que nada fez para se eleger, a não ser esperar os resultados das urnas.

A capital de Rondônia é uma das menos arborizadas do País. O calor devido a falta de árvores na cidade é infernal. Outras capitais como Brasília (DF), situada no cerrado do planalto central, tem duas árvores para cada habitante, o que equivale a algumas milhões  plantadas, muitas delas, frutíferas como abacateiros, mangueiras e até amoras. Acerola, goiaba, jaca, pitanga, ingá nêspera. Tem também limoeiro, goiabeira, tamarindo, cajueiro, jabuticabeira, pequizeiro e pitangueira nas áreas verdes de Brasília.

E, em Porto Velho, o que que tem? Alguns pés de mangas, nada mais. O próximo prefeito terá que ter um compromisso com o meio ambiente, com o clima e com a vida. Porque árvores é vida. Além de frutas e sombras, as árvores são lares de pássaros e outros animais. Onde há árvores o clima é mais ameno.

Portanto, o próximo prefeito não pode ser alguém que não esteja alinhado com o meio ambiente. O pretendente bolsonarista segue as políticas destrutivas do meio ambiente do atual governo. Nunca um governo foi tão irresponsável com o meio ambiente quanto o de Jair Bolsonaro. Sob Bolsonaro a Amazônia está praticamente deserta. Porto Velho sofre pelas queimadas. A fumaça arde nos olhos da população. O que o prefeito de Porto Velho poderá fazer se a atribuição da proteção do meio ambiente é do governo federal? Muito. Muito mesmo. É só ter vontade política e amor à vida.

 

Facebook Comments