O senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ) faleceu na noite desta quarta-feira (21) vítima de covid-19, segundo mensagem publicada em seu Twitter pela assessoria. O texto informa que ele teve falência dos órgãos. Arolde tinha 83 anos e era natural de São Luiz Gonzaga, no Rio Grande do Sul. Ele havia sido internado em 4 de outubro e estava na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com sequelas respiratórias da covid-19.

Arolde de Oliveira chegou ao Senado nas eleições de 2018, sendo eleito em uma dobradinha com o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Ele era próximo ao presidente Jair Bolsonaro, de quem foi colega na Câmara por quase três décadas.

O senador ingressou na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) em Resende, no estado do Rio de Janeiro, em 1957. Formou-se em engenharia eletrônica no Instituto Militar de Engenharia (IME) para cursar Engenharia Eletrônica.

Ele entrou para a carreira política em 1983, quando se elegeu à Câmara dos Deputados, sendo reeleito por nove mandatos consecutivos. Em 2018, com o apoio de Bolsonaro, teve uma campanha vitoriosa para o Senado Federal.

Discreto, Arolde sempre concentrou sua atuação nos bastidores, onde era conhecido pelo temperamento cordial e pela habilidade para manter boa interlocução com parlamentares dos mais diversos perfis ideológicos.

Evangélico, Arolde era também proprietário do Grupo MK de Comunicação, que possui rádios e gravadoras gospels. Um dos sites do grupo de comunicação, o Pleno.News, foi apontado em pesquisa recente da Agência Pública como um dos maiores difusores de notícias falsas.

Quem assumirá mandato

O primeiro suplente de Arolde de Oliveira é o advogado Carlos Francisco Portinho. Se ele não se apresentar no prazo de 30 dias, quem assume o mandato é a advogada Renata Cordeiro Guerra, segunda suplente e atual assessora parlamentar do gabinete de Arolde no Senado.

Congresso em foco e IstoÉ

Facebook Comments