Adjunto da Sesau, Luiz Eduardo Maiorquim (c), afirma que é a primeira vez que o estado investe nesta especialidade

Adjunto da Sesau, Luiz Eduardo Maiorquim (c), afirma que é a primeira vez que o estado investe nesta especialidade
Adjunto da Sesau, Luiz Eduardo Maiorquim (c), afirma que é a primeira vez que o estado investe nesta especialidade

Pelo menos 80 médicos participam neste sábado e domingo (14 e 15), no Rondon Palace, em Porto Velho, dos cursos de emergências cardiovasculares e eletrocardiograma: do básico ao avançado. Conforme o secretário-adjunto da Saúde estadual, Luiz Eduardo Maiorquim, os treinamentos serão feitos por equipe do Instituto do Coração (Incor), através do Laboratório de Treinamento e Simulação em Emergências da Fundação Zerbine.

Maiorquim explicou que os cursos fazem parte do programa de educação e qualificação permanente implantado pelo governo de Rondônia. Médico cirurgião-vascular, Maiorquim afirma que o treinamento é um avanço para a medicina pública do estado.

Em sua análise, após a qualificação, os médicos – a maioria generalista – vão poder avaliar melhor o paciente com complicações cardíacas, bem como, “fazer a leitura” com maior precisão do resultado de um eletrocardiograma. “Esse procedimento é fundamental para estabilizar o paciente até ele ser encaminhado ao especialista”, justificou Maiorquim.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Williames Pimentel, o objetivo do governo estadual é ampliar o nível de atendimento de alta complexidade – na área de cardiologia – em todas as unidades hospitalares. “Com essa medida, a Sesau promove a qualificação do atendimento, proporcionando ao profissional melhores condições de agir nas emergências cardiovasculares”, afirmou, ressaltando que a Fundação Zerbine (Incor) tem reconhecimento internacional.

AVANÇOS

Luiz Eduardo Maiorquim também observou que esta é a primeira vez que o governo do estado investe nesta especialidade. “Serão utilizados recursos didáticos para ajudar na compreensão, de maneira fidedigna, da constituição e funcionamento do organismo humano”, apontou.

Além desse recurso, está prevista também a implementação da discussão de casos clínicos com traçados de eletrocardiograma, restrita a professores e alunos. “Na prática, os médicos vão poder interpretar as informações do eletrocardiograma e agilizar o atendimento”, definiu Maiorquim.


Fonte
Texto: Zacarias Pena Verde
Fotos: Ítalo Ricardo
Decom – Governo de Rondônia

Facebook Comments