Marcelo Freixo conta como foi a inclusão de Marielle Franco no enredo da campeã Mangueira

Marcelo Freixo, feliz com a vitória da Mangueira

RIO DE JANEIRO-O deputado federal e mangueirense Marcelo Freixo (PSL-RJ), está feliz pela vitória da escola de samba do coração. Mais ainda, porque a Mangueira homenageou a vereadora Marielle Franco, assassinada há quase um ano no Rio de Janeiro. “Quanta honra participar desse momento histórico do carnaval do Rio”, postou ele no Instagram, logo após saber do resultado da apuração no sambódromo.

Quando e como foi acertada a homenagem

Ainda no primeiro semestre do ano passado, Leandro ( gênio do carnaval carioca) me ligou e combinamos um café. Leandro é um grande amigo. Conversamos sempre, mas naquele dia ele queria me falar do enredo da Estação primeira. Fiquei impressionado com sua ousadia. Conversamos muito sobre os heróis esquecidos, sobre história e nossos sonhos. Leandro ouviu muitos professores de história. Esse samba carrega a contribuição de gente incrível como Luiz Antônio Simas e tantos outros. Fiquei todos esses meses pensando o que seria esse enredo na avenida.
Quando entrei na avenida segurando a bandeira da mangueira, encerrando esse desfile monumental, não consegui me conter. Enquanto cantava esse inesquecível samba, as lágrimas corriam. Lembrei das muitas aulas, dos alunos, das escolas, foram 20 anos dentro de sala. Lembrei com muita força do trabalho como educador popular nas prisões do Rio. Foram muitos anos junto com aqueles jovens negros, pobres, encarcerados. Foi com eles que aprendi o valor da minha profissão, foi nas celas como salas de aula improvisadas que aprendi o valor da luta por direitos humanos. Foi no front, nesse limite invisível que pouca gente entrou que me tornei educador. Todos eles passavam pela minha cabeça e minha garganta quando cantava a Mangueira.

Vinha a imagem de Marielle. Essa menina que conheci em 2002, que reencontrei em 2006. Que veio compor minha equipe de trabalho em 2007. Marielle trabalhou comigo por 10 anos. Vi essa menina se transformar. Lembro do dia que falei pra ela que tinha chegado a hora dela assumir a coordenação da Comissão de Direitos humanos. Falei que ela estava pronta. Ela riu, respirou fundo e transformou a comissão. Mari não foi só uma companheira de trabalho, foi uma filha que perdi. Ela estava ali. Sendo cantada e lembrada pelo mundo. Sei de tudo que a Mari passou a representar para o mundo. Tenho muito orgulho, mas a saudade que sinto é daquela menina que conhecia tão bem, que amei tanto.
Tudo passou pela minha cabeça. Nunca vou conseguir agradecer tamanha emoção.
Obrigado, Leandro.
Obrigado, Mangueira

“Quando entramos carregando a bandeira, fechando o desfile da Mangueira, o verso na luta é que a gente se encontra tomou conta de todos nós. Era Sapucaí, era um desfile, era um ato. Essa energia corajosa e vibrante vinha das arquibancadas, da força mítica que é virar a história do avesso pra contar História que o Brasil não conta, dos versos geniais do samba, do bandeirão com a cara da Marielle, da ousadia do carnavalesco Leandro Vieira. Lançar luz sobre o país que não tá no retrato é o jeito da Mangueira nos ensinar a atravessar temporais. Sua vitória de hoje é uma luz no fim do túnel. Honra profunda por ter participado deste desfile histórico, cercada de amigas e amigos amados. Parabéns ao carnavalesco gênio Leandro Vieira, que se consagra como um pensador do carnaval. E viva o Brasil!!!”, postou Antônia Pellegrino, esposa de Marcelo Freixo no Instagram.

Fonte: Mais RO

Facebook Comments