Por Samuel Costa (*)

As prerrogativas dos profissionais que trabalham pelo direito à informação são essenciais à justiça, devem ser preservados pela manutenção do Estado de Direito. A conversa, que foi tornada pública pela Procuradoria Geral da República (PRF), contem alguns trechos jornalisticamente interessantes, incluindo o tom extremamente amigável de Reinaldo Azevedo e suas críticas a uma reportagem da revista Veja, o que agora levou a seu pedido de demissão. Vale ressaltar que a Polícia Federal (PF), não considerou indícios de crimes na conversa realizada entre o jornalista e sua fonte, Andréia Neves. Mesmo assim, as gravações foram anexadas pela Procuradoria-Geral da República ao conjunto de áudios anexados ao inquérito que provocou o afastamento de Aécio e a prisão da irmã.

Não sou fã ou admirador do jornalista Reinaldo Azevedo, mas temos que defender a liberdade de imprensa e se essa liberdade é atacada devemos nos mobilizar para que não aconteça nem com jornalistas de direita e nem com jornalistas de esquerda e nem com jornalistas livres e que prefiram não expressar sua opinião pessoal. A liberdade é pra todos e se é atacada temos que defende-lá incansavelmente. ” Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.” Evelyn Beatrice Hall. Que não tenhamos retrocessos nos direitos e garantias fundamentais elencados na CRFB/88.

(*) Samuel Costa é Graduado em Direito, Pós Graduando em Direito Público, Mestrando em Ciências da Educação. Casado com Samea Lima e pai da Sofia Costa

Facebook Comments