RESENHA POLÍTICA – POR: ROBSON OLIVEIRA (*)

Em Cacoal a disputa entre a atual prefeita Glaucione Nery e o deputado estadual Fúria começa a indicar uma campanha acalorada com a possibilidade de ocorrer algumas trocas de cotoveladas. É um município onde tradicionalmente o eleitor muda conforme a temperatura da campanha. Há registros de candidaturas inicialmente imbatíveis e que foram abatidas pelas circunstâncias nos últimos dias da eleição. O que pode ocorrer mais uma vez com a fúria do parlamentar surpreendendo a lentidão da atual prefeita.

 

JIPA

No segundo colégio eleitoral do estado, Ji-Paraná, ainda não estão definidas todas as candidaturas. Todos os pré-candidatos aguardam a definição do atual presidente da Assembleia Legislativa Laerte Gomes (PSDB) para definirem suas nominatas a vereador. Caso Laerte decida disputar a prefeitura é um páreo duro que tende a rivalizar com o colega deputado estadual Jhony Paixão (PSL).  Também são aspirantes ao cargo o atual prefeito Macito Pinto (PDT) e Isaú Fonseca (MDB). É mais um município em que não há franco favorito, embora Laerte e Paixão estejam mais bem postados.

 

GUAJARÁ

Desgastado por uma administração abaixo da esperada, o atual prefeito de Guajará-Mirim, Cícero Alves Noronha, terá muita dificuldade para conseguir que o eleitor da Pérola do Mamoré lhe confie mais um mandato. Na disputa pelo paço municipal, Sergio Bouez (PSD), Wenceslaw (PMN), a professora Tassia Souza (PV) e Caçador (irmão do deputado federal coronel Crisóstomo) podem repetir uma campanha acirrada. É imprevisível um prognóstico aí, visto que são candidaturas competitivas e quem se juntar tende a levar uma boa vantagem.

 

ROLIM

Dr Lauro, professor Rudney, Aldo e Rafael são alguns dos nomes que estarão disputando a prefeitura de Rolim de Moura. Luizão do Trento, atual prefeito, está fora por estar no segundo mandato. Os quatro aparecem entre os pré-candidatos bem postados e vão fazer uma eleição quente no município que tem uma vocação de projetar lideranças estaduais. Ao que parece os principais caciques (Cassol e Raupp) não estão influenciando até o momento o pleito. Embora ainda mantenham na região um grupo de seguidores.

PORTO VELHO

Dados que a coluna teve acesso em off revelam que a capital tende a repetir as surpresas que ocorrem em cada eleição e uma definição de quem vai ao segundo turno ficará para os últimos dias da campanha. Não há favoritismo de véspera e a campanha em si determinará a tendência que o eleitor seguirá. Há muita expectativa e especulações em torno das definições das pré-candidaturas do deputado federal Léo Moraes (Podemos) e do atual prefeito Hildon Chaves (PSBD).

 

DEFINIÇÃO

A coluna já cravou dois meses atrás, e mantém a mesma opinião, de que o prefeito Hildon Chaves não disputará a reeleição. Já o deputado federal Léo Moraes tem se reunido com as demais lideranças com o intuito de entrar na briga pela prefeitura. Estas duas definições, que devem ocorrer nos próximos dias, farão com que as campanhas tomem as plataformas digitais.

 

PROPOSTA

Em reunião com o campeão de votos na capital nas eleições passadas para governador (Vinicius Miguel), Léo Moraes propôs ao Vinicius que desista do pleito municipal para ser candidato a deputado federal em 2022, com seu apoio. A proposta também inclui o apoio de Vinicius à candidatura de Léo. Vinicius ouviu surpreso a proposta e saiu da reunião convicto de que o único objetivo do deputado é impedir que ele (Vini) seja candidato, inclusive a vereador. Léo é um concorrente com uma capilaridade eleitoral enorme e muito bom de urna, mas sabe que eleição é como mineração: só depois da apuração, ensina o dito popular.

 

HOMOLOGAÇÃO

Indiferente à decisão das demais candidaturas, Vinicius vai ser indicado candidato a prefeito na convenção do Cidadania com o apoio formal da Rede. É possível que outras legendas adiram à candidatura sem estar formalmente coligadas. Há tratativas nesse sentido, o que é normal dias antes das convenções.

 

SURPRESA

Quem corre por fora na disputa da capital solitariamente é a vereadora Cristiane Lopes (PP). Lançou-se pré-candidata desde que assumiu as funções na edilidade e trabalha com afinco para viabilizar sua candidatura sob as bênçãos do grupo Cassol, família donatária do PP. É uma postulação que não deve ser subestimada pelos demais concorrentes, além de intimidade com as mídias formais (TV e Rádio) manipula bem as plataformas digitais com um discurso afinado. Falta-lhe, porém, propostas mais objetivas para administrar Porto Velho.

BOLSONARISMO

Não faltarão na campanha de Porto Velho os candidatos denominados bolsonaristas confessos na esperança de que o eleitor repita a mesma lógica que catapultou ao Governo de Rondônia um coronel politicamente desconhecido e pouco hábil no trato com a gestão pública apenas por professar lealdade e continência ao capitão Bolsonaro. Mas nunca é demais lembrar que o eleitor da capital faz sua escolha sem levar em conta as indicações dos caciques, exemplo clássico foi a avalanche de votos que o eleitorado portovelhense sufragou em favor de Vinicius Miguel, na mesma disputa em que o coronel saiu vencedor no pleito estadual.

HOMOLOGAÇÃO

Especula-se que Alex Testoni deverá voltar a ser candidato a prefeito de Ouro Preto do Oeste. Caso se confirme a candidatura, dificilmente terá páreo para impedir seu retorno ao paço municipal. Uma derrota seria uma surpresa descomunal.

 

* Jornalista e Advogado

* * O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Mais RO não tem responsabilidade legal pela “OPINIÃO”, que é exclusiva do autor. 

Facebook Comments