Preso desde o dia 31 de agosto de 2020 pela Polícia Rodoviária Federal, acusado de homicídio, Angelo Marcos Galvão Branco, deve permanecer sob a custódia do Estado. Essa foi a decisão do juiz Jorge Luiz Leal da Luz, da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Rondônia, sobre o pedido de habeas corpus ajuizado pelos advogados de Angelo.

O acusado estava com um mandado de prisão em aberto desde o dia 2 de agosto de 2019, expedido pelo Juízo da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Porto Velho, pela prática de homicídio qualificado. Os advogados alegaram que o acusado não sabia do mandato e que em momento algum houve busca por ele em seu endereço e que, portanto, sua prisão é ilegal.

Ao negar o pedido, o juiz lembrou que a decretação da prisão foi necessária, ´posto  que o crime se deu com notável violência, 19 tiros contra a vítima´ e para evitar que Angelo Marcos se furte à aplicação penal, como aconteceu anteriormente’, e prejudique o ´deslinde processual´. Além disso, não há qualquer novidade no caso que garanta a soltura do acusado.

O CRIME

Angelo é acusado do assassinato de Jeferson Oliveira Moreira. O comerciante, de 38 anos, dono de uma lava jato no bairro Três Marias, Zona Leste de Porto Velho, foi morto com cerca de 19 disparos de pistola .40, no dia 12 de agosto do ano passado, em sua residência (local. Do crime).

A mãe da vítima, que estava com o filho no momento do assassinato contou aos policiais que eles foram surpreendidos por dois homens que chegaram em uma moto e entraram no quintal logo que o empresário estacionou o carro em sua propriedade.

A mulher disse que os criminosos chegaram gritando se passando por policiais e começaram a disparar à queima roupa. A mulher, ainda em estado de choque, não conseguiu dar mais detalhes do crime.

Fonte: Oobservador

Facebook Comments