Central enviou nota, mas Jornal Nacional não divulgou resposta da entidade
Central enviou nota, mas Jornal Nacional não divulgou resposta da entidade

Em sua edição de sexta-feira (14), programa da Globo desconsidera “outro lado” ao noticiar citação em delação que fala de dinheiro supostamente entregue a sindicalistas em Rondônia

São Paulo – A CUT se manifestou por meio de texto publicado em seu site no fim da noite desta sexta-feira (14), após o Jornal Nacional, da Rede Globo, ignorar a resposta da entidade a uma citação feita em delação de um ex-executivo da Odebrecht, Henrique Serrano.

“O JN ignorou a nota da CUT e deixou no ar a acusação porque a nota deixa claro que a acusação é absurda”, diz o texto. Serrano afirmou que que distribuía dinheiro a políticos, funcionários públicos, lideranças indígenas e sindicalistas da central na região de Porto Velho, para que não criassem “problemas” à construção da hidrelétrica de Jirau, em Rondônia.

“A CUT repudia e estranha a delação a dirigentes da Central que não cita sequer nomes de quem supostamente teria recebido propina da Odebrecht para impedir ações sindicais para reivindicar melhoria em condições de trabalho e renda em Rondônia”, afirma a nota. Segundo a entidade, são “os sindicatos que negociam acordos, organizam as lutas e as greves, não a Central”.

“Ė preciso esclarecer que, até março de 2010, o Sindicato dos Trabalhadores da Construção  Civil  de Rondônia era filiado à outra central sindical, portanto, a data é fundamental para esclarecer os fatos. Após o Sindicato se filiar à CUT, foram realizadas em Rondônia as greves mais duras da história, com resultados extremamente positivos para os trabalhadores”, diz a entidade.

Leia abaixo a íntegra da nota da CUT enviada e não divulgada pelo Jornal Nacional:

Nota da CUT sobre estranha delação a dirigente 

A CUT não pode responder sobre acusações genéricas que não citam sequer os nomes dos supostamente envolvidos em propinas 

A CUT repudia e estranha a delação a dirigentes da Central que não cita sequer nomes de quem supostamente teria recebido propina da Odebrecht para impedir ações sindicais para reivindicar melhoria em condições de trabalho e renda em Rondônia. 

Primeiro, porque são os sindicatos que negociam acordos, organizam as lutas e as greves, não a Central  – a CUT Rondônia apoiou política e logisticamente todas as lutas dos trabalhadores da construção civil do Estado; a CUT nacional ajudou a negociar os acordos conquistados pelo Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Rondônia. 

Segundo, porque a delação não diz o nome do denunciado nem em que período houve a suposta negociação do pedido de propina. 

Ė preciso esclarecer que, até março de 2010, o Sindicato dos Trabalhadores da Construção  Civil  de Rondônia era filiado à outra central sindical, portanto, a data é fundamental para esclarecer os fatos. Após o Sindicato se filiar à CUT, foram realizadas em Rondônia as greves mais duras da história, com resultados extremamente positivos para os trabalhadores.

Todos os acordos foram fechados com reajustes muito acima da inflação – com os maiores índices negociados no país pela categoria -, com enorme aumento nos valores dos tíquetes refeição, entre outras conquistas. É importante ressaltar que as greves sempre são encerradas com assembleias onde o trabalhador vota se aceita ou não o acordo construído e conquistado.

E mais: uma das grandes conquistas das greves em Rondônia foi a deflagração de uma negociação tripartite nacional que culminou com a assinatura do Compromisso Nacional de Melhoria das condições de trabalho na construção civil.

A CUT não pode responder sobre acusações genéricas que não citam sequer os nomes dos supostamente envolvidos em propinas, nem sequer a data em que ocorreram, até mesmo porque protagonizou com sindicatos filiados uma das maiores lutas do setor em todo o país.

Esclarecidos os fatos fica clara a intenção da TV Globo de tentar desqualificar a maior e mais combativa central sindical do país. O JN ignorou a nota da CUT e deixou no ar a acusação porque a nota deixa claro que a acusação é absurda. Prova disso são as conquistas dos trabalhadores após as greves.

 

Facebook Comments