Itamar Franco ressuscitou o Fusca; Temer, a ditadura inspirada em Maquiavel

são Paulo, SP 17 de Abril de 2015. BRASIL ECONOMICO. Na foto o Vice presidente Michel Temer. Foto: Murillo Constantino
Foto: Murillo Constantino

Há 24 anos, o peemedebista Itamar Franco que assumiu as rédeas da Nação com o afastamento de Collor de Mello ressuscitou o Fusca. Já Michel Temer, que assumiu o governo brasileiro após um golpe legislativo, ressuscitou a ditadura. Vitaminou o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), com status semelhantes à CIA. Temer age como um ditador, excluindo direitos adquiridos e impondo um sistema de governo militar opressivo ao nomear o ex-secretário linha dura da segurança pública de São Paulo, Alexandre Moraes, do PSDB.

Os sinas de que Temer está implantando uma ditadura pior do que a venezuelana tanto criticada pela direita (coxinhas), podem ser vistos com a decisão de dificultar o acesso à presidenta Dilma Rousseff, afastada,que está sitiada no Palácio Alvorada, onde reside,

A demissão de um garçom negro do Palácio do Planalto, sob a alegação de que ele poderia ser um informante, demonstra o caráter ditatorial de Temer. Ou, no mínimo, paranoico.

Parece que  Michel Temer leu, ou melhor, devorou O Príncipe, de Nicolau Maquiavel. “Quando você tiver de fazer algum mal a alguém, faça-o todo de uma só vez. A dor será intensa, mas apenas uma. Já o bem, faça-o em parcelas. O favorecido ficará alegre e grato a você várias vezes” . As primeiras ações de Temer demonstram a faceta de um tirano inspirado em Maquiavel que não utiliza o conceito cristão de virtude, mas o conceito grego pré-socrático, onde a virtude é vitalidade, força, planejamento, esperteza e a capacidade se impor e profetizar.

Eis algumas sentenças de Maquiavel:

– Faça de uma vez só todo o mal, mas o bem faça aos poucos.

– Quem for eleito pelo povo deve manter-se amigo dele.

– O que depende de muitos costuma não ter sucesso.

– Quem for desarmado torna-se desprezível

– Boas leis não servem pra nada se não existirem boas armas.

– Toda guerra que é necessária é justa.

– A guerra faz o ladrão e a paz prende-os.

– É mais seguro ser temido do que amado.

– Os homens esquecem mais facilmente a morte do pai do que a perda do patrimônio.

– Governar é fazer acreditar.

– É fácil persuadir o povo de algo, difícil é manter essa persuasão.

– Nunca faltará ao príncipe razões legítimas para burlar a lei.

– Grande dificuldade pede grande disposição.

– Todos vêem aquilo que você parece, poucos percebem o que você é.

– Quem engana sempre vai encontrar alguém que se deixará enganar.

– Um governante eficaz não deve ter piedade.

– Em tempos de paz devemos pensar na guerra.

– As pessoas ofendem mais a quem amam do que a quem temem.

– A liberdade consome a si mesma, pois sua força acaba logo.

Por Roberto Kuppê- Mais RO

 

Facebook Comments