Irmão de homem assassinado abraça ex-policial que o matou: ‘não desejo nada de ruim para você’

O irmão mais novo de Botham Jean, Brandt Jean, abraça a ex-policial condenada por matar o vizinho no ano passado. — Foto: The Dallas Morning News via AP/Tom Fox

O irmão do homem que foi assassinado, no ano passado, por uma ex-policial de Dallas, no Texas, ofereceu um abraço a ela na quarta-feira (2). Brandt Jean, irmão mais novo de Botham Jean, abraçou Amber Guyger no tribunal logo após ela ser sentenciada a dez anos de prisão pelo crime.

“Eu te amo como pessoa. Não desejo nada de ruim para você”, disse Brandt a Amber antes de perguntar à juíza: “Não sei se isso é possível, mas posso dar um abraço nela? ”

A juíza, Tammy Kemp, disse a ele que podia. Brandt e Amber se levantaram, ficaram de frente um para o outro e se abraçaram enquanto Amber chorava. Kemp também abraçou Amber antes que ela fosse levada da corte.ei se isso é possível, mas posso dar um abraço nela? ”

A juíza Tammy Kemp também abraçou a ex-policial Amber Guyger antes que ela fosse levada da corte. — Foto: The Dallas Morning News via AP/Tom Fox

O caso repercutiu muito nos Estados Unidos por causa das circunstâncias estranhas em que ocorreu e por ter sido mais um de vários em que policiais brancos matam homens negros e desarmados.

Em setembro do ano passado, Amber matou Botham, que era seu vizinho, ao entrar no apartamento dele por engano, achando que era o seu. Acreditando que o rapaz, de 26 anos, era um invasor, a ex-policial atirou nele. Ela foi presa três dias depois e, mais tarde, demitida do trabalho de policial em Dallas.

Criticas à sentença

A promotora distrital assistente Mischeka Nicholson segura uma foto de Botham Jean diante do júri pouco antes da leitura da sentença na quarta-feira (2).

O júri, composto na maior parte de mulheres e pessoas negras, poderia ter sentenciado a ex-policial à prisão perpétua ou até mesmo a menos de dois anos na cadeia, diz a Associated Press. Os promotores no caso pediram que a sentença fosse de 28 anos de prisão – idade que Botham Jean teria se ainda estivesse vivo.

Quando a pena foi decidida, na quarta-feira (2), amigos e familiares da vítima vaiaram o veredito. Pessoas que acompanhavam o julgamento do lado de fora do tribunal em Dallas também reagiram com raiva.

Quando a pena foi decidida, na quarta-feira (2), amigos e familiares da vítima vaiaram o veredito. Pessoas que acompanhavam o julgamento do lado de fora do tribunal em Dallas também reagiram com raiva.

A mãe de Botham Jean, de vermelho, observa enquanto o filho, Brandt Jean, abraça a ex-policial Amber Guyger, condenada a dez anos de prisão por ter matado Botham. — Foto: Tom Fox/The Dallas Morning News via AP

Depois de cinco anos na prisão, correspondentes a metade da sentença, Amber poderá pedir liberdade condicional.

Na noite de quarta-feira (2), dezenas de pessoas marcharam pelas ruas de Dallas para protestar contra a sentença, diz a Associated Press.

À medida que o vídeo do julgamento foi sendo espalhado online, também houve críticos à juíza, que afirmavam que o gesto de abraçar Amber era inapropriado.

Ao mesmo tempo, quando a filmagem foi mostrada em uma igreja de Dallas onde a família de Botham se reuniu logo após a sentença ser proferida, as pessoas aplaudiram e disseram “amém”. O pai de Botham, Betrum, também falou sobre a necessidade de perdão durante o serviço religioso.

Fonte: G1

Facebook Comments