Imagens aéreas mostram que rio Madeira pode isolar o Acre novamente

0
613

cheia1capaImagens aéreas registradas pela Reportagem do ac24horas   (site de notícias do Acre), revelam que o rio Madeira pode nos próximos dias alagar novamente parte de um trecho da BR-364 que liga o Acre ao restante do país. No ano passado o transbordamento do manancial deixou o estado totalmente isolado dos demais departamentos do Brasil. As imagens publicadas abaixo foram registradas no fim da tarde desta segunda-feira, 26 de janeiro.

Em todo o percurso, as áreas banhadas pelo Madeira geram preocupação a quem passa por um dos trechos mais importantes para o Acre. É pela BR-364 que o estado recebe além do combustível veicular, laticínios, frios e diversos outros produtos do gênero alimentício.

Nesta quarta-feira, 28, segundo medição às 4h, realizada pela Agencia Nacional de Águas (ANA), o Rio Madeira já marca 15:40. Por conta da cheia, a prefeitura de Porto Velho decretou oficialmente “estado de alerta”. A determinação municipal visa preparar a população da capital rondoniense para uma possível cheia.

Ontem, terça-feira, 27, o manancial atingiu 15,28 metros. A medição foi realizada pela Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), órgão que acompanha a situação do rio. No ano passado, na mesma data, há exatos doze meses, o Madeira marcava 15,15 metros de profundidade, ou seja, o rio está 13 centímetros acima da medição daquele dia 27.

Parte da população acreana tem duvidado e feito, inclusive, brincadeiras com um assunto bastante sério. Nas redes sociais, a cada publicação sobre o nível do Rio Madeira, leitores do ac24horas ficam ainda mais preocupados com a possível alagação da BR-364. Por isso, a reportagem coletou entrevistas com profissionais da área e buscou esclarecer aos acreanos o que realmente está acontecendo com o Madeira, e ainda se há realmente chances do manancial atingir um transbordo na mesma magnitude da que ocorreu no início de 2014.

Na última sexta-feira, 23, especialistas da Secretaria Municipal de Programas Especiais e Defesa Civil (Sempedec) visitaram pontos considerados críticos da rodovia federal, no trecho entre o Acre e Rondônia. Levantamentos de hidrólogos do Centro Nacional de Alerta e Monitoramento de Desastres Naturais (Cemaden), apontam que em menos de 10 dias um trecho de 14 quilômetros seja tomado pelas águas do Madeira.

O estudo confirma que trechos próximos às cidades de Jacy-Paraná, Mutum-Paraná e Abunã, serão novamente os primeiros a sofrer com alagações. “O primeiro trecho que pode ser inundado, de acordo com o Cemaden, é a área próxima da antiga Mutum-Paraná. Há uma previsão de aproximadamente 10 dias para que isso ocorra”, explicou o secretário-adjunto da pasta, José Pimentel, em entrevista à imprensa daquele estado.

Informações obtidas com exclusividade pelo ac24horas dão conta que uma régua especial já foi instalada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), no quilômetro 471 da estrada, para acompanhar o aumento do nível. Nesta quarta-feira, 28, a medição das 0h apontou que faltam 52 centímetros para que as águas do manancial comecem a alagar trechos da rodovia federal. Segundo a PRF, ao atingir a marca de 50 centímetros restantes, será acionado o alerta geral e todos os agentes devem trabalhar em operação considerada “crítica”.

Dados da prefeitura de Porto Velho (RO), disponibilizados ao ac24horas, mostram que após consulta in loco no trecho entre o perímetro da capital e o distrito de Abunã, ficou constatado que cerca de 550 famílias podem ser atingidas diretamente pela cheia.

Segundo o Executivo municipal, o trabalho está sendo realizado de maneira integrada com o governo de Rondônia, DNIT, PRF, governo do Acre e membros do Cemadem. Durante reunião na sexta-feira da semana passada, o grupo apontou algumas medidas preventivas a serem adotadas como a manutenção da Estrada Parque, que liga União Bandeirantes a Guajará-Mirim e Nova Mamoré, locação de balsas e máquinas para ajudar na travessia de veículos dos pontos alagados da BR e retirada das famílias das áreas de risco, dentre outras.

O engenheiro do DNIT, Douglas Freiras, destacou que o órgão federal está atento quanto às providências e estratégias a serem tomadas para não interromper o fluxo de veículos na rodovia BR-364. Durante encontro com representantes dos dois estados, o engenheiro sugeriu que a Defesa Civil faça a demolição das casas localizadas próximas à ponte sobre o Rio Madeira. Segundo ele, outras famílias estão invadindo as antigas moradias, o que exige novos esforços por parte da Defesa Civil e Bombeiros.

O auditório da Associação Comercial de Rio Branco (AC) foi palco de uma tensa reunião entre representantes de setores empresariais de todo o estado. O encontro marcou o início das ações que devem ser executadas já nos próximos dias. Solicitação de linhas de crédito que ultrapassam os R$ 100 milhões, prazo extenso para pagamento, estocagem de produtos em alta escala e uso de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) são algumas das exigências que os comerciantes pretender fazer a presidente da República, Dilma Rousseff, do PT.

“Nosso objetivo aqui é definir quais serão nossos próximos passos. Vamos cotar tudo que for necessário e colocar em prática nosso plano de contingencia. Isso não quer dizer que teremos uma crise, mas queremos fazer de tudo para que em caso de crise nossa população não sofra com preços altos ou falta de produtos nas prateleiras de nossas empresas”, destacou Jurilande Aragão, presidente da Acisa.

A presidente do Sindicato dos Transportadores do Acre (Setacre), Nazaré Cunha, que também participou do encontro, afirma que a grande preocupação é de trazer até o início do próximo mês os produtos essências, de caráter mais básico. “Minha preocupação é com os produtos mais básicos, mas também fico preocupada com outros produtos, menos essenciais, mas que a população procura”, comenta a representante.

Segundo a sindicalista, trazendo o quanto antes esses produtos, a população não será prejudicada, nem os empresários, que precisam de dinheiro para custear suas dívidas mensais. “A gente precisa é se planejar e tentar viabilizar o mais rápido possível esse plano de contingencia. Para isso, vamos contar com o apoio do governo”, completa.

Confira a galeria de fotos