Anatomia Política – Começam articulações para 2016/Rondônia

 

Dejanir Haverroth*

 

haveAs articulações para 2016 começaram em outubro do ano passado, logo após as eleições estaduais. Mas as configurações mudam a cada episódio, como em um novo embaralhar das cartas. O eleitor, infelizmente, ainda é passivo como um expectador de teatro – só entende a peça quando se abrem as cortinas. Meu papel aqui é abrir as cortinas antes da peça começar.

 

O pior período para qualquer prefeito é o final do segundo ano do primeiro mandato. Quem sobreviveu até aqui tem chance de recuperar o prestígio e pensar em reeleição. Mas alguns prefeitos não conseguirão, apesar da boa vontade e honestidade. !7 prefeitos dos 52 de Rondônia fecham o segundo mandato e não podem concorrer à reeleição. Dos 35 que que disputarão o segundo mandato, apenas 21 deles tem chances de se reeleger. Os demais, ou mudam a estratégia ou terão de contar com muita sorte.

 

Conesul

>>> Na região do Conesul, vamos começar por Cerejeiras. A cidade está cheia de buracos por consequência das obras infraestrutura, mas a população acredita no prefeito, Airton Gomes (PP), que deverá concorrer à reeleição. Na área rural ele é imbatível. A oposição se articula em blocos desassociados (rachada). De um lado o ex-prefeito Kleber, de outro o ex-deputado Ezequiel Neiva, ambos do PMDB.

>>>Kleber tem problemas na justiça e pode ser impedido de concorrer. Se isso acontecer a oposição deve se juntar a Ezequiel.  Pedrinho do Taxi está fora do páreo. Se as coisas continuarem como se desenham, Airton será mesmo um páreo duro para a oposição. Basta ele concluir as obras iniciadas e se garante mais quatro anos na administração.

 

>>> Em Colorado o prefeito Josemar Beato vai à reeleição e, ao contrário da eleição passada, seu grupo terá oposição. O PMDB se preparar para disputar, mas o nome ainda não foi definido. Vai ter que “nascer” um nome politicamente viável dentro do partido, que agora tem uma deputada atuante e o grupo dos Donadon’s vem com mais força. O PT também poderá lançar candidatura.

 

>>> Em Vilhena a situação pré-2016 é muito mais complexa. O grupo do Rover é o mais fortalecido e tem um bom nome. Quem subestimar Gustavo Valmorbida pode quebrar a cara. Gustavo tem carisma e é o homem forte da prefeitura há seis anos. O povo gosta de líderes fortes. A oposição está desarticulada. O Melki Donadon (PTB) não pode ser candidato e deve se lançar em mais uma missão suicida – com ele ou outro nome da família (e não será o vereador Junior, seu primo).

>>>Junior Donadon (PMDB) ainda não tem grupo, mas poderá se articular até o ano que vem. Porém, se a família Donadon entrar na disputa dividida, não terá chance. Outro grupo é do Luizinho Goebel (PV). É pouco provável que Goebel se lance à prefeito. Não vi nenhuma movimentação dele neste sentido.

 

>>> Em Rolim de Moura está tudo indefinido. Pelo que se pode observar, o atual prefeito não será mais candidato. Está decepcionado com jogo do poder. Existem cinco grupos se articulando para a disputa, mas nenhum se destaca até o momento. O vice-prefeito, Luizão do Trento (PSDB), deve ser candidato natural do grupo, caso Cesar desista. Outro nome, o atual presidente da câmara, Juninho (PSD) também é cogitado nos bastidores da política de Rolim de Moura.

 

>>> Ariquemes – A administração de Ariquemes está mal das pernas. Lourival Amorim passa por uma grave crise de popularidade em sua administração. Outros dois grupos começam a crescer e ameaçam a reeleição de Amorim – o PMDB, com o jornalista Ricardo Scwantz, e o DEM, com o deputado Adelino Follador.

 

Ji-Paraná – O prefeito Jesualdo Pires está fazendo uma boa administração, e não tem concorrente a altura para o próximo pleito. Sua hegemonia só será ameaçada se ele demonstrar, com antecedência, seu interesse em uma candidatura ao governo, em 2018. Aí o grupo do Gurgacz entra em cena e pode lançar Marcos Rogério (PDT) à Prefeitura.

 

>>> Apoios: É cedo para medirmos o peso que cada grupo ou partido terá para eleger seus prefeitos. O Brasil passa por uma crise de confiança na política e nas instituições e ainda não sabemos quando e como isso vai acabar. O único grupo de Rondônia cuja credibilidade ainda não foi abalada nesses dias é o do Senador Acir Gurgacz (PDT).

 

Na próxima coluna falaremos de outros municípios – Jaru, Porto Velho, Machadinho, Buritis, Cacoal, Guajará-Mirim, São Francisco e Costa Marques.

 

Dejanir Luiz Haverroth – Bacharel em Comunicação Social, especialista em Ciências Políticas, especialista em Assessoria de Comunicação, Trainer Internacional em PNL, Praticante de Coaching Quântico Sistêmico e COACH Político – Certificados reconhecidos por três entidades internacionais (Metaforum Internacional, Sociedade Internacional de PNL e Associação de PNL da Alemanha).

Facebook Comments