O governador da Louisiana disse que os moradores têm apenas horas para se preparar; estado foi devastado em 2005 pelo Katrina, furacão de categoria 5, a máxima na escala de furacões.

O furacão Laura ganhou força nesta quarta-feira (26) e se tornou um furacão de categoria 4, com ventos de até 225 km/h, ameaçando a costa nordeste do Golfo do México, nos EUA, com inundações potencialmente “catastróficas”, anunciou o Centro Nacional de Furacões (NHC, sigla em inglês).

“Relatórios apontam que o Laura se tornou um furacão extremamente perigoso de categoria 4, que pode provocar uma tempestade catastrófica, ventos extremos, alagamentos são esperados em todo o nordeste da costa nordeste do Golfo nesta noite”, disse o NHC em um comunicado

Infográfico mostra a rota do furacão Laura nos EUA — Foto: Arte/G1

O Laura ameaça o litoral dos estados do Texas e da Louisiana, no sul dos EUA. Com a chegada do furacão, os principais centros de refino de petróleo de Lake Charles, de Beaumont e de Port Arthur, estão na rota de risco e já deixaram de funcionar.

Ondas se formam em High Island, no Texas, nesta quarta-feira (26). — Foto: Jon Shapley/Houston Chronicle via AP

John Bel Edwards, governador de Louisiana, alertou que a população tem “apenas algumas horas para se preparar e evacuar”. O estado ainda é traumatizado pela devastação causada em 2005 pelo Katrina, furacão de categoria 5 – a máxima – que inundou 80% de Nova Orleans e deixou 1 mil mortos.

“Onde quer que você esteja ao meio-dia, é onde você terá que enfrentar a tempestade” – John Bel Edwards, governador de Louisiana.

Até o momento, furacão Laura causou a morte de pelo menos 24 pessoas no Haiti e na República Dominicana. Um rastro de destruição foi deixado após o furacão passar pelos países do Caribe nesta terça-feira (25).

25 de agosto - Moradores caminham por uma rua afetada pela passagem da tempestade tropical Laura, em Porto Príncipe, Haiti — Foto: Andres Martinez Casares/Reuters

Indústria de óleo e gás

A indústria petrolífera também se prepara para a chegada de Laura, reduzindo a produção de petróleo a um nível que se aproxima do verificado à época do furacão Katrina, em 2005, e interrompendo o refino de petróleo em unidades da costa do Texas e da Louisiana.

De acordo com a Reuters, na segunda-feira, a tempestade já havia interrompido a produção de 1,5 milhão de barris por dia de petróleo, cerca de 82% da produção offshore do Golfo do México – nível que se aproxima da paralisação de 90% causada pelo Katrina há 15 anos.

Refinarias paralisaram instalações que processam pelo menos 1,8 milhão de barris de petróleo por dia, 10% da capacidade total dos EUA, segundo cálculo da agência. Na esteira da interrupção, os preços da gasolina dispararam nesta terça-feira, acumulando alta de mais de 10% desde sexta-feira.

“Haverá uma tempestade significativa de Galveston, no Texas, até o rio Sabine”, área que compreende algumas das maiores refinarias da região, disse Kerr, da DTN. “Há condições ideais nas regiões central e oeste do Golfo para uma rápida intensificação.”

O fenômeno climático deve levar a fortes chuvas em uma área que representa mais de 45% da capacidade total de refino dos EUA e 17% da produção de petróleo, segundo a Administração de Informação sobre Energia (AIE).

Issac Alvarado (direota) e Kevin Enriquez colocam tapumes em uma loja de decorações em Galveston, Texas, antes da chegada do furacão Laura, na terça-feira (25) — Foto: AP Photo/David J. Phillip

Fonte: G1

Facebook Comments