‘Fiz besteira’, avisa PM, por WhatsApp, após matar a mulher

O soldado da Polícia Militar Edson Melo, 41 anos, acusado de matar a esposa e, em seguida, tirar a própria vida, enviou um áudio para um grupo de policiais militares, em um aplicativo de mensagens, em que dizia: “Fiz besteira”. O texto foi encaminhado logo após ele atirar contra Ana Gabriela Perin Broesler, 26.

As informações foram divulgadas pelo G1. Melo matou a esposa nessa segunda-feira (21/10/2019), dentro do carro da família, depois de ela ter deixado os três filhos do casal na escola, no bairro Jardim dos Prados em Peruíbe, no litoral de São Paulo. A mulher foi baleada na cabeça, no abdômen e na coxa. A vítima morreu no local. Logo depois, o policial militar foi para casa, no Bairro Vila Erminda, e se matou também com um tiro.

A mensagem foi enviada em grupo composto apenas por policiais militares que atuam na 3ª Companhia do 29º BPM/I, onde Melo trabalhava. No áudio, o soldado confessa que havia feito uma “besteira” e avisou que estava deixando a porta da casa aberta para que os colegas pudessem entrar. Além disso, ele pedia ajuda para cuidar dos três filhos.

Quando as equipes da PM chegaram ao imóvel, a porta realmente estava aberta. Melo foi achado morto próximo à cozinha, ao lado da pistola. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que o caso foi registrado na Delegacia de Peruíbe como feminicídio e suicídio. A autoridade policial solicitou exames ao Instituto de Criminalística (IC) e Instituto Médico Legal (IML) e investiga os fatos.

Neste 2019, o Metrópoles inicia um projeto editorial para dar visibilidade às tragédias provocadas pela violência de gênero. As histórias de todas as vítimas de feminicídio do Distrito Federal serão contadas em perfis escritos por profissionais do sexo feminino (jornalistas, fotógrafas, artistas gráficas e cinegrafistas), com o propósito de aproximar as pessoas da trajetória de vida dessas mulheres.

O Elas por Elas propõe manter em pauta, durante todo o ano, o tema da violência contra a mulher para alertar a população e as autoridades sobre as graves consequências da cultura do machismo que persiste no país. Desde 1° de janeiro, um contador está em destaque na capa do portal para monitorar e ressaltar os casos de Maria da Penha registrados no DF. Mas nossa maior energia será despendida para humanizar as estatísticas frias, que dão uma dimensão da gravidade do problema, porém não alcançam o poder da empatia, o único capaz de interromper a indiferença diante dos pedidos de socorro de tantas brasileiras.

Fonte: METROPÓLES

Facebook Comments